PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

Brasileiro se tornou "diferente" depois de demissão por chefe da Red Bull

Sergio Sette Camara, piloto da F-2 - FIA F2 - Divulgação
Sergio Sette Camara, piloto da F-2 Imagem: FIA F2 - Divulgação

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Londres (ING)

18/08/2017 04h00

Há pouco mais de um ano, o caminho para Sergio Sette Camara parecia promissor: fazendo parte do programa de jovens pilotos da Red Bull, que apoiou nomes como Sebastian Vettel e Max Verstappen, o piloto hoje com 19 anos fazia seu primeiro teste com um Fórmula 1. Porém, ao mesmo tempo, seus resultados na F-3 Europeia decepcionavam e o brasileiro, mesmo tendo melhorado na segunda parte do ano, acabou fora do programa.

Sette Camara foi duramente criticado pelo consultor Helmut Marko, e disse em entrevista exclusiva ao UOL Esporte ter aprendido bastante com a experiência.

"Ele fala que eu sou rápido, mas que tenho o psicológico fraco. A visão do pessoal da F- 1 não é a mesma, a gente acha que eles estão olhando super de perto, mas no final das contas eles olham o papel, não estão lá no final de semana com a gente. Eu concordo com ele porque no começo do ano eu tive alguns problemas com companheiros jovens: eu era o cara mais experiente e eles estavam mais rápidos do que eu, porque eu estava perdendo pra mim mesmo. Mas, sinceramente, se não fosse por esse negócio da Red Bull, eu nunca teria aprendido”, reconheceu. “Eu tive a minha oportunidade, aprendi com ela e com certeza sou um piloto diferente depois disso."

Apesar de ter sido positiva do ponto de vista da experiência em si, a temporada como piloto da Red Bull acabou atrapalhando o desenrolar da carreira de Sette Camara, uma vez que a confirmação de que o mineiro estaria fora do programa veio em meados de outubro, quando a maioria das portas já estava fechada.

"Na verdade você fica um pouco às cegas na Red Bull porque é o Dr. Marko que decide, a gente não tem influência nenhuma pra onde a gente vai”, disse o piloto, que ficou sabendo de seu futuro às vésperas do GP de Macau de F-3. “A gente estava vendo equipe da GP3, na verdade, e aí fui bem em Macau e a gente decidiu ir pra F-2 no último momento. O plano é fazer uma temporada boa, de aprendizagem, mas conseguindo resultados bons, andando bem, e depois no segundo ano ir para uma equipe vencedora e brigar pelo título. Mas eu estou preparado se alguma coisa acontecer antes, essa é a diferença. Eu me conheço muito melhor do que no ano passado, pode acontecer uma tragédia dois dias antes da corrida e eu sei colocar minha cabeça no lugar pra eu estar na pista do jeito que eu quero estar. Antes eu não me conhecia bem, mas agora eu sei fazer isso melhor."

Em um salto considerável para quem vem da F-3, Sette Camara ainda não conseguiu bons resultados em sua primeira temporada na F-2, não tendo pontuado após sete rodadas duplas.

Fórmula 1