PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

Mercedes promete resposta imediata após ser superada por Ferrari

Hamilton foi superado por Vettel no GP da Austrália - REUTERS/Jason Reed
Hamilton foi superado por Vettel no GP da Austrália Imagem: REUTERS/Jason Reed

Do UOL, em São Paulo

27/03/2017 09h35

Depois de três anos de domínio absoluto na Fórmula 1, a Mercedes deixou o GP da Austrália em uma situação com a qual não está acostumada: atrás na classificação. A vitória de Sebastian Vettel na primeira corrida da temporada ligou o alerta, e a equipe que ganhou os últimos três títulos promete uma reação rápida, já no GP da China, no dia 9 de abril.

"Eu acho que você perde algumas e ganha outras. Tivemos muita sorte nos últimos três anos em que vencemos a maior parte das corrida e agora temos aceitar que aqui a Ferrari nos bateu”, disse o chefe de equipe da Mercedes, Toto Wolff, em declarações publicadas pelo site “Motorsport”.

"Nós voltaremos mais fortes, não tínhamos grandes testes e não tivemos um ótimo domingo (na Austrália), mas não deixaremos pedra sobre pedra para voltar a ganhar", completou.

Toto Wolff, porém, disse que o desempenho da Ferrari não chegou a surpreender. Ele disse que a Mercedes sempre avaliou a equipe como uma das ameaças reais para a temporada.

“Nós sempre consideramos Red Bull e Ferrari como concorrentes reais e eles foram. Portanto, a percepção ou a perspectiva é absolutamente a mesma. Eu prefiro ganhar do que perder, mas é parte da Fórmula 1. Tivemos uma sequência excepcional nos últimos três anos. Você não pode esperar para continuar para sempre”, disse.

Neste cenário, a Mercedes evita arrumar qualquer desculpas para não conseguir bater a Ferrari na Austrália. Vettel só ficou à frente de Lewis Hamilton após a parada de boxes, mas Toto Wolff vê merecimento no resultado.

"Estava claro que o momento ia chegar onde precisávamos perder com humildade, e aceitar que alguém tivesse feito um trabalho melhor, e foi isso que aconteceu: eles [Ferrari] fizeram um ótimo trabalho e Sebastian é um merecido vencedor de corrida", completou.

Fórmula 1