PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

Quais são os objetivos de Massa e Nasr na F-1 em 2016

Greg BAKER/ AFP
Imagem: Greg BAKER/ AFP

Julianne Cerasoli

Do UOL, em São Paulo

16/03/2016 06h00

Felipe Massa e Felipe Nasr, os dois brasileiros do grid da Fórmula 1, terão objetivos bem diferentes assim que as luzes vermelhas se apagarem para a primeira etapa da temporada, às 2h da madrugada do domingo, pelo horário de Brasília.

Em seu último ano de contrato, o experiente piloto da Williams busca mostrar que ainda tem lugar no grid, enquanto o piloto da Sauber tenta se afirmar em seu segundo ano na categoria.

Massa vem passando por uma fase de renascimento desde que chegou à Williams, em 2014. Após ser bastante questionado nos últimos anos de Ferrari, o brasileiro voltou a fazer uma pole - no GP da Áustria daquele ano - e a conquistar pódios. Foram três em 2014 e dois em 2015. O retorno às vitórias, contudo, ainda não parece uma realidade plausível, uma vez que o time inglês não demonstra rendimento suficiente para bater Mercedes e Ferrari. Porém, mesmo sem chegar ao lugar mais pódio desde o GP do Brasil de 2008, Massa garante que ainda se sente motivado para iniciar sua 14ª temporada na F-1.

"Tenho a fome para ser melhor, para eliminar o que não estava funcionando no ano anterior. Ainda estou muito motivado para ser forte e competitivo - e estar entre os melhores", disse o piloto em entrevista ao site oficial da F-1.

Aos 34 anos, Massa é, juntamente de Kimi Raikkonen (36), Jenson Button (36) e Fernando Alonso (34) um dos pilotos mais experientes da categoria. E já aproveita para usar isso a seu favor: com a expectativa de uma grande mudança no regulamento técnico para 2017, o brasileiro espera convencer a Williams - ou mesmo outra equipe - de que ainda pode ser peça importante.

"Acredito que com as mudanças que estão chegando posso ser alguém muito útil para fazer a diferença - para qualquer time, a Williams ou outro. É só olhar para trás e ver como a Williams evoluiu desde 2013 - foi muita coisa. E não foi só o carro ou o motor: a mentalidade da equipe melhorou muito. Acho 100% que tenho a ver com isso. Acho que fui muito importante para essa mudança - e também quero fazer isso no futuro."

Nasr corre por afirmação
Em seu segundo ano na Fórmula 1, Felipe Nasr ganha a vantagem da maior experiência, mas ao mesmo tempo terá de lidar com a pressão de não ser mais um novato. O brasileiro, que em 2015 alternou momentos de brilho como o quinto lugar na primeira prova, na Austrália, ou o sexto posto na Rússia, com uma série de dificuldades de adaptação com os freios, segue na equipe Sauber ao lado de Marcus Ericsson.

Especialmente na segunda metade do ano, o superaquecimento dos freios e o crescimento do sueco complicaram a vida de Nasr, que espera que a história mude em 2016.

"Comparando com o carro do ano passado, a sensação foi de uma traseira mais estável nas freadas de curvas de média e alta velocidades. Ano passado, eu tive muitos problemas superaquecendo os freios. Este pacote parece ter esse fator melhorado, o que nos dá mais margem para jogar com os freios e forçar mais."

Mesmo com as dificuldades da Sauber - última a lançar o carro novo, sofrendo com atrasos de salários e tendo recentemente perdido o diretor técnico, Mark Smith - Nasr se mostra confiante. “Sinto-me preparado para começar minha segunda temporada na F-1. Estou curioso para ver onde estamos em comparação com as outras equipes. Todos na fábrica trabalharam muito duro, então merecemos um bom começo de ano."

Os carros voltam à pista na quinta-feira, às 22h30, pelo horário de Brasília. O segundo treino livre será na madrugada da sexta-feira, a partir das 2h30. O terceiro treino livre será à meia-noite de sábado e a classificação, às 3h. A largada está marcada para as 2h do domingo.

Fórmula 1