PUBLICIDADE
Topo

Quarentena é melhor propaganda possível contra o homeschooling

Getty Images
Imagem: Getty Images
Rodrigo Ratier

Jornalista e professor universitário na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo. É também autor do blog Em Desconstrução, de Universa, coordenador do blog coletivo Entendendo Bolsonaro, e fundador e gestor do curso online contra fake news Vaza, Falsiane (www.vazafalsiane.com)

06/04/2020 04h00

"Estou logo depois do 48. Quem sou eu?", pergunta a folha de tarefas de Matemática do Grupamento 5, o equivalente à pré-escola. Luiza, 5 anos, começa a contar em voz alta: "quarenta, quarenta e um, quarenta e dois? quarenta e nove!". "Isso!", me empolgo. "Agora, precisa desenhar" — ela fala desenhar — "o número". A perninha do quatro surge próxima demais à margem esquerda. A pequena percebe que tem algo errado. Traça uma reta perpendicular na extremidade superior? E se irrita. Rabisca a folha, arremessa lápis para um lado, folha para o outro. Chora, vai ao quarto, bate a porta.

Acolho? Dou bronca? Deixo quieto? Começo de novo?

Estou perdido — acho que eu e a torcida do Flamengo. Em tempos de isolamento social, quando o assunto é ajudar os filhos a aprender, os dilemas variam, mas giram em torno dessa missão que de longe parecia tão trivial, mas de perto é um mistério insondável: como diabos se faz para um criança estudar?

Aos poucos, vamos percebendo se trata de um enigma que se desdobra em mil perguntas: que materiais devo oferecer? Quanto tempo devo insistir? Pode fazer na frente da TV? E quando se desinteressam? Ajudo até que medida? Se tenho dois filhos, um de 5 e outro de 9, como auxilio cada um? Devo seguir as instruções da escola à risca? E quando uma atividade dá errado? Etc., etc., etc., até a indagação circular: o que faço amanhã, nesse eterno dia da marmota em que se transformaram nossas vidas em isolamento?

A pandemia que virou a sociedade do avesso tem tido o dom de esfregar em nossas caras algumas obviedades varridas para debaixo do tapete. Por anos a fio no debate público, professores e professoras têm sido aviltados. "Vagabundos!", "doutrinadores!", "militantes travestidos de docentes!", "imorais!", "gayzistas!?, grita o rebanho, real e digital, seguindo as palavras de ordem de quem lucra com a confusão. E que, na hora da verdade, foge da raia e diz que a culpa é sempre do outro.

Contra os seres abomináveis corrompem criancinhas, alternativas exóticas são oferecidas por essa turma cuja única experiência em educação é ter sido aluno — provavelmente, não muito brilhante. Como se sabe, o deputado Eduardo Bolsonaro, autor de projeto de lei que legaliza o homeschooling, não é exatamente um ás no inglês.

Não precisamos recorrer ao hole knowledge do Bananinha, como apelidou o vice-presidente Mourão, para saber que o estrangeirismo nomeia a educação domiciliar, oferecida por pais ou tutores. Sem evidência empírica relevante, como de costume, os defensores do ensino em casa exibem seus argumentos: proteger, religiosa ou moralmente, as crianças; possibilidade de acompanhamento individual; segurança emocional e física; melhores resultados acadêmicos.

Eis que chega o coronavírus e todo mundo é obrigado a adotar alguma estratégia de homeschooling. E todo mundo está odiando. A tal da socialização, argumento número 1 a favor do ensino presencial na escola, faz hoje parte de um passado mítico e feliz. Muita gente também começa a se dar conta de que — surpresa! — professores e professoras não passam 4, 5, 8 horas transformando crianças em terroristas ou devassos. Muita gente está percebendo que educar não é uma tarefa intuitiva.

Ao contrário: requer enorme preparo e estudo. Entram em cena conhecimentos tão variados quanto os da filosofia, da psicologia (do desenvolvimento, da infância e da adolescência), da sociologia (geral, da educação, da infância), da história (geral, das Ciências, da profissão docente, da educação moderna e contemporânea), da cultura (corporal, brasileira, do brincar), da didática (geral e específica), saberes específicos (currículo, avaliação, gestão de sala de aula), inclusão (deficiência intelectual, superdotação, libras) — e, claro, da área base de cada disciplina.

Professor é o profissional formado para transpor o conhecimento específico de um determinado ramo do saber para um público amplo, de não iniciados na matéria. As variáveis são muitas (idade, nível cognitivo, classe social, infraestrutura disponível etc.) e as opções de ação, igualmente variadas (metodologias de ensino, formas de avaliação, planejamento, currículo, tipos de aula etc.).

Que nem todo docente domine esse complexo ferramental não deveria ser motivo para insultos que se ouvem dia sim, outro também, vindos daqueles que nos governam. Existem também maus médicos e não se escuta ninguém diminuindo a profissão ou esculachando a classe médica — ou pior, perseguindo-a. Alguém consegue imaginar um movimento que recomende a gravação de uma cirurgia cardíaca ou que estimule pacientes do SUS a redigir notificações ameaçando clínicos gerais? Pois é justamente isso que movimentos demonizadores da docência como o Escola sem Partido — e os políticos oportunistas que o defendem — fazem em relação aos educadores.

Educar é muito complexo. Tanto quanto construir uma ponte, conceber uma vacina, realizar um diagnóstico. Sou professor universitário e, ainda assim, me pego sem ação frente ao piti da minha filha. Que existe um oceano de distância entre o ensino superior e a educação infantil é apenas uma das lições de humildade que o ato de ensinar nos traz a cada dia. Como docente, me sinto secretamente — bem, agora abertamente — vingado com o homeschooling compulsório. Não era fácil? Algo que qualquer um podia fazer? A realidade paralela, habilmente manejada por quem instrumentaliza a ignorância alheia, uma hora cobra o preço. Que esse período difícil termine ao menos com uma boa notícia: a valorização dos educadores e educadoras do Brasil.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.