Topo

Carros


Carros

Novos carros elétricos alemães são as estrelas do salão de Frankfurt

Daniel Roland/AFP
Imagem: Daniel Roland/AFP

10/09/2019 11h30

Os novos carros elétricos alemães serão as estrelas do salão do automóvel de Frankfurt, aberto nesta terça-feira à imprensa, em um mercado em queda, no qual os fabricantes temem o impacto dos novos regulamentos europeus contra a poluição.

Na segunda-feira à noite, centenas de jornalistas assistiram à apresentação do novo carro elétrico da Volkswagen, chamado ID.3, um veículo compacto que a marca compara com seu famoso fusca. De quinta a 22 de setembro, milhares de pessoas vão visitar o salão.

O grupo Volkswagen também apresentou o Taycan, um carro esportivo de luxo 100% elétrico de sua marca Porsche, capaz de ir de 0 a 100 km/h em menos de três segundos e que quer rivalizar com a Tesla, a companhia californiana líder dos carros elétricos.

Este ano, muitas marcas estrangeiras decidiram não participar do salão, incluindo as gigantes japonesas Toyota e Nissan, as americanas General Motors e Fiat-Chrysler e as francesas Renault, Peugeot e Citroën.

Segundo Ferdinand Dudenhöffer, diretor do Center Automotive Research (CAR), a crise do salão é uma consequência da má imagem da indústria alemã "afetada pelo 'dieselgate' [o escândalo dos motores adulterados da Volkswagen] e pelo desenvolvimento tardio do carro elétrico".

O setor como um todo está passando por um período difícil devido às mudanças tecnológicas, que exigem bilhões de dólares em investimentos, bem como a guerra comercial, Brexit e, na Europa, os novos limites de emissão de CO2.

Além disso, os carros estão cada vez mais no centro das atenções pela poluição das cidades e neste sábado a polícia espera entre 15.000 e 20.000 pessoas em uma grande manifestação no Centro de Convenções de Frankfurt para exigir uma "revolução nos transportes".

No primeiro semestre do ano, o mercado mundial de automóveis retrocedeu 5%, principalmente por causa da China.

As fabricantes alemães foram particularmente afetadas pela crise e, nos primeiros oito meses do ano, a produção caiu 11% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo dados da federação profissional (VDA).

Entre janeiro e julho, as vendas do grupo Volkswagen também caíram 2,7%.

Na Europa, a partir do próximo ano, os carros novos deverão ter emissões médias de CO2 inferiores a 95 gramas por quilômetro, com multas significativas em caso de descumprimento.

Para conseguir isso, o carro elétrico é a melhor solução, o que explica os modelos 100% elétricos ou híbridos apresentados esta semana no Salão do Automóvel de Frankfurt.

No entanto, as vendas ainda são marginais. Na Europa, representam apenas 2% do mercado e ainda há dúvidas sobre seu alto preço e os limites de sua autonomia.

Segundo o presidente da Volkswagen, Herbert Diess, o sucesso dos carros elétricos "dependerá muito das condições políticas". Ele pediu mais "subsídios" para baixar os preços e "acelerar a implantação de pontos para recarrega".

As marcas alemãs ainda estão pouco presentes nesse mercado. A BMW não obteve o sucesso esperado com seu modelo i3 e não possui carros grandes equivalentes aos da Tesla. Por sua vez, Mercedes e Audi mal começaram a trabalhar neste setor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Carros