PUBLICIDADE
Topo

Mora nos Clássicos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

O último Fusca: como VW fez carro 'secreto' após encerrar a produção

Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Mora

O blog Mora nos Clássicos contará as grandes histórias sobre as pessoas e os carros do universo antigomobilista. Nesse percurso, visitará museus, eventos e encontros de automóveis antigos - com um pouco de sorte, dirigirá alguns deles também.

Colunista do UOL

02/10/2021 04h00

(SÃO PAULO) - As luzes já estavam há muito apagadas quando a Volkswagen reativou a linha de produção do Fusca para produzir um último exemplar do modelo, em 30 de agosto de 1996 - dois meses depois do encerramento oficial da carreira fabril do carro mais popular do planeta.

Antes de retroceder 25 anos no tempo, é preciso voltar a 2014, quando o colecionador André Chun decidiu reaver um Fusca "Itamar" 1993 que vendera quando recebeu uma proposta de trabalho na Alemanha.

Diante da recusa do novo dono em devolver seu antigo carro, decidiu partir para um Série Ouro, a derradeira versão do Fusca no Brasil. Dois, na verdade: um branco e um preto, tidos como raríssimos por colecionadores.

Fusca 6619 abre matéria 2 - Arquivo pessoal  - Arquivo pessoal
Fusca de chassi final 6619 foi o último original a sair da linha de montagem
Imagem: Arquivo pessoal

Pesquisando sobre quantos Fuscas Série Ouro afinal haviam sido produzidos, Chun descobriu que a numeração de chassi dessa versão especial começava depois do número 5.200 e passava de 6.600, que a quantidade total de Série Ouro produzida não chegou aos 1.500 exemplares divulgados, totalizando na verdade 1.368 unidades; que não havia registro de Série Ouro preto, pois o último Fusca nessa cor foi o chassi 4936, e que foram feitos pouco mais de 110 Série Ouro brancos, e não apenas 50 como se imaginava.

"Resolvi focar no Série Ouro branco, mas não achei nenhum em boas condições, pois praticamente todos foram parar nas mãos de estatais paranaenses", relembra Chun.

Nisso, descobriu que o último chassi não pertencia a um Série Ouro, como deveria ser. Correspondia ao chassi final 6619 a descrição "VW Fusca 1600", quando o coerente seria "Fusca Ouro" numa lista de registros obtida em sites especializados nesse tipo de informação.

Fusca 6619 tras - Arquivo pessoal  - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Quase concluído o quebra-cabeças sobre os últimos Fuscas fabricados, era hora de buscar o dono do chassi final 6619, o que Chun conseguiu em 2016.

Terceiro dono do veículo, Dr. Marcos obviamente se negou a vender o modelo, adquirido em 2015. Depois de muita conversa, chegaram a um acordo e Chun enfim estacionou o sonhado Fusca na garagem. À época, o odômetro anotava 12.411 quilômetros. Os pneus Firestone F560 eram os originais.

"Também me chamou atenção o manual do proprietário, onde constava a entrega do veículo no dia 30 de agosto de 1996. Por volta do dia 10 de julho a Volks já havia entregado todas as cartas parabenizando os proprietários dos Série Ouro. Suspeitei que algo especial havia ocorrido com o chassi 6619", conta Chun.

Não satisfeito, foi atrás do primeiro proprietário para entender de onde havia saído um modelo tão peculiar. Até que em 2017 encontrou membros da família de Itagyba Nogueira de Sá, o primeiro dono do carro.

E o que aconteceu foi o seguinte. Ricardo Luiz dos Santos Carvalho, genro de Itagyba, trabalhou na Volkswagen por 31 anos, tendo ocupado cargos de diretoria na empresa. Amigo de Miguel Barone, então Vice-Presidente de Vendas da montadora, Carvalho pediu que um dos últimos Fuscas fabricados fosse destinado ao sogro, fã da marca. E Barone atendeu.

Fusca 6619 Itagyba - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Itagyba Nogueira de Sá recebendo seu Fusca
Imagem: Arquivo pessoal

O problema é que, quando Itagyba manifestou o desejo em ter um Fusca quando soube do seu fim, a linha de produção já tinha encerrado. E não havia nenhum Fusca em estoque.

Faturado pela própria Volkswagen e despachado para a finada Sabrico, o Fusca 6619 foi licenciado em 13 de setembro de 1996.

Chun Schmidt - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
André Chun recebe reconhecimento de Gustavo Schmidt, o mesmo executivo da VW que entregara o Fusca para Itagyba Nogueira de sá há 25 anos
Imagem: Arquivo pessoal

Como é

Sem peças do Fusca Série Ouro em estoque, a Volkswagen recorreu às equivalentes da Kombi. Como as manivelas, maçanetas e puxadores internos das portas, pretos e não cinzas. Ou a alavanca de acionamento do pisca-alerta, retangulares e não triangulares. Forrações internas e volante também eram distintos em relação ao Série Ouro.

Porta Fusca Série Ouro - Arquivo pessoal  - Arquivo pessoal
Forração de porta do Série Ouro...
Imagem: Arquivo pessoal

Fusca 6619 porta - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
...e a forração no "6619"
Imagem: Arquivo pessoal

O 6619 também foi equipado com alguns opcionais, como vidros verdes, desembaçador traseiro, lanternas traseiras fumê, para-choques com borrachões, relógio analógico e alto-falantes, buzina dupla e retrovisor direito.

Fusca DAkar volante - Arquivo pessoal  - Arquivo pessoal
Interior do Fusca Série Ouro
Imagem: Arquivo pessoal

Houve mais três Fuscas depois do 6619 - os três conversíveis (não originais, portanto) igualmente secretos.

Fusca 6619 volante - Arquivo pessoal  - Arquivo pessoal
Sem peças de Série Ouro, último Fusca recebeu volante de Gol/Voyage
Imagem: Arquivo pessoal