PUBLICIDADE

Topo

VivaBem

AstraZeneca nega que vacina contra covid-19 seja menos eficaz em idosos

18.jan.2021 - Profissionais de saúde do Hospital das Clínicas de SP são vacinados com a vacina CoronaVac no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo - Marcelo Justo/UOL
18.jan.2021 - Profissionais de saúde do Hospital das Clínicas de SP são vacinados com a vacina CoronaVac no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo Imagem: Marcelo Justo/UOL

Ludwig Burger e Edward Taylor

25/01/2021 20h53

A AstraZeneca negou nesta segunda-feira que sua vacina contra a covid-19 não seja muito eficaz para pessoas com mais de 65 anos, depois que reportagens da mídia alemã disseram que as autoridades temem que a imunizante pode não ser aprovada na União Europeia para uso em idosos.

Os alemães Handelsblatt e Bild disseram em reportagens separadas que a vacina - codesenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford - tinha uma eficácia de 8% ou menos de 10%, respectivamente, em pessoas com mais de 65 anos.

Autoridades alemãs estão receosas de que a vacina possa não receber aprovação da autoridade de medicamentos da União Europeia para uso em pessoas com mais de 65 anos, disse o Bild em sua edição online.

As reportagens marcam outro problema potencial para a AstraZeneca, que disse à União Europeia na sexta-feira que não poderia cumprir as metas de fornecimento acordadas até o final de março, depois de enfrentar problemas de produção de vacinas.A frustração já estava crescendo entre os países europeus porque a Pfizer e a parceira BioNTech anunciaram uma redução temporária no fornecimento de vacinas no início de janeiro.

Em uma resposta por escrito, a AstraZeneca descreveu as reportagens da mídia alemã dizendo que sua vacina demonstrou ter uma eficácia muito baixa em idosos como "completamente incorretas".

A farmacêutica disse que o Comitê Conjunto de Vacinação e Imunização do Reino Unido apoiou o uso da vacina em idosos. Ele também disse que uma forte resposta imunológica à vacina foi demonstrada em análises de sangue de idosos participantes do ensaio.

Em 30 de dezembro, o Reino Unido se tornou o primeiro país a aprovar a vacinação com dose dupla e não impôs um limite máximo de idade. Até agora, ela se concentrou nos idosos e nos profissionais de saúde para sua campanha de imunização.

VivaBem