PUBLICIDADE

Topo

O que pode ser?

A partir do sintoma, as possíveis doenças


Parkinson nem sempre causa tremor; constipação e insônia também são sinais

iStock
Imagem: iStock

Cristina Almeida

Colaboração para VivaBem

10/08/2021 04h00

Em 1817, o médico londrino James Parkinson identificou e descreveu um distúrbio que ele denominou paralisia agitante. Passariam seis décadas até que o conhecido neurologista Jean-Martin Charcot sugerisse o uso do termo doença de Parkinson para designar uma enfermidade do SNC (Sistema Nervoso Central), cujos principais sintomas são lentidão, tremor, rigidez e instabilidade postural.

Essa condição acomete 1% da população acima dos 60 anos de idade, em especial os homens, mas também pode se manifestar na juventude, o que é mais raro.

Para boa parte dessas pessoas, as causas do Parkinson são desconhecidas, mas os dados científicos disponíveis no momento indicam que ela pode ser consequente à combinação de fatores genéticos e ambientais.

Embora se trate de uma doença crônica neurodegenerativa, a sua evolução, em geral, é lenta. Assim, o tratamento tem como objetivo manter, o quanto possível, a qualidade de vida do paciente, com estratégias terapêuticas interdisciplinares que incluem atividade física, uso de medicamentos, fisioterapia e até cirurgia —tudo para reduzir sintomas e efeitos colaterais da doença e das medicações.

Entenda a doença de Parkinson

Trata-se do tipo mais comum de parkinsonismo, um grupo de distúrbios neurológicos cujas características são sintomas como lentidão, tremor e rigidez.

Considerada uma enfermidade crônica degenerativa, é progressiva. Isso significa que ela persiste e avança com o tempo e suas manifestações tendem a piorar.

Por que isso acontece?

A doença de Parkinson decorre da morte acelerada de alguns neurônios específicos —os dopaminérgicos— que produzem o neurotransmissor dopamina, relacionado a ações motoras e não motoras.

A razão específica pela qual isso ocorre ainda não é totalmente conhecida. Até o momento, sabe-se que a enfermidade aparece como consequência da combinação de fatores genéticos e ambientais. E também já existe alguma evidência científica de que estes últimos incluem substâncias químicas tóxicas, vírus, bactérias e metais pesados. Herbicidas e pesticidas, igualmente, têm sido objeto de pesquisas.

Como reconhecer os sintomas

Eles variam de pessoa a pessoa, e podem levar anos para se manifestarem. Apesar de o tremor ser popularmente associado ao Parkinson, alguns indivíduos não apresentam esse sintoma, e jamais o terão ao longo da evolução da doença. A explicação é de Eduardo Melo, neurologista do HC-UFPE.

"Nem todo paciente com doença de Parkinson tem tremor, e nem todo tremor está relacionado ao Parkinson. No entanto, existem quatro sintomas principais que caracterizam a doença, sendo um deles obrigatório, que é a lentidão, chamada pelos médicos de bradicinesia. Os demais são o tremor no repouso, a rigidez e a instabilidade postural", completa o especialista.

Veja outras possíveis manifestações do Parkinson:

Sintomas motores

  • Lentidão (bradicinesia)
  • Tremor (em repouso, especialmente nos braços e, por vezes, nas pernas)
  • Rigidez
  • Instabilidade postural
  • Redução do volume da voz
  • Problemas de equilíbrio e quedas
  • Dificuldade para engolir
  • Marcha de pequenos passos
  • Micrografia (redução do tamanho da letra)

Sintomas não motores

  • Depressão
  • Ansiedade
  • Constipação
  • Hiposmia (perda do olfato)
  • Declínio cognitivo e demência
  • Hipotensão ortostática (queda da pressão decorrente da postura)
  • Dor
  • Alucinações e psicose
  • Distúrbios do sono
  • TCI (Transtorno do Controle dos Impulsos)
  • Problemas gastrointestinais
  • Disfunções sexuais e urinárias

Quem precisa ficar mais atento?

A doença de Parkinson é considerada a segunda doença neurodegenerativa mais comum, perdendo apenas para o Alzheimer. A condição acomete cerca de 6 milhões de pessoas no mundo todo, especialmente adultos do grupo masculino acima dos 60 anos.

Apesar disso, ela também pode afetar indivíduos mais jovens, o que representa 10% dos casos. Nessas situações, as causas estão mais relacionadas à genética.

Quando é hora de procurar ajuda

De acordo com o neurologista Wilson Gomes Júnior, professor da Faculdade de Medicina da UFPR-Toledo, algumas manifestações do Parkinson podem acontecer de 3 a 5 anos antes de um diagnóstico final —o que os especialistas chamam de sintomas pré-motores.

Alguns exemplos deles são a redução da capacidade olfatória (hiposmia), a constipação, a depressão e até alterações do sono.

"Quando tais sintomas aparecem isoladamente, eles são considerados inespecíficos. Mas se a eles se somam dificuldades como o tremor antes inexistente, a lentificação do caminhar, do vestir-se, do entrar e sair do carro, dirigir ou digitar, é sinal de que uma investigação é urgente", acrescenta Gomes Júnior.

O especialista treinado para tratar a doença de Parkinson é o neurologista, mas o clínico geral e o geriatra também poderão avaliá-lo.

Como é feito o diagnóstico?

Na hora da consulta, o médico ouvirá a sua queixa, levantará seu histórico de saúde e fará exame físico minucioso para identificar rigidez, tremor, mudança na letra, perda do olfato, entre outros sintomas e sinais. Na maioria das vezes, o diagnóstico se baseia nessas informações, o que é chamado de diagnóstico clínico.

Esteja pronto para relatar ao médico o uso contínuo de medicamentos. Alguns deles podem simular sintomas típicos da doença de Parkinson, como os fármacos para vertigem, os psiquiátricos e antieméticos.

Embora não exista exame específico que confirme a doença, os profissionais da saúde podem solicitar exames sanguíneos complementares para identificar alterações hormonais, infecções, deficiências vitamínicas, entre outros. O objetivo é afastar outras situações clínicas que podem se assemelhar ao Parkinson.

Exames de imagem também podem ser pedidos, preferencialmente a ressonância magnética, porque ela ajuda a afastar outras doenças semelhantes, além de mostrar algumas alterações que sugerem a doença de Parkinson.

Embora já existam biomarcadores da redução da função dopaminérgica, o que é acessado por meio da medicina nuclear, esses exames ainda não são rotineiros.

Como é feito o tratamento?

"Até o momento não existe meio de reversão da doença ou controle do seu avanço. Assim, o objetivo do tratamento é reduzir sintomas e seus efeitos colaterais, garantindo o máximo de funcionalidade à pessoa com doença de Parkinson", fala a geriatra Uiara Raiana Vargas de Castro Oliveira Ribeiro, professora da Escola de Medicina da PUC-PR.

O ideal é que o tratamento seja interdisciplinar e inclua especialistas como fisioterapeuta, psicólogo, psiquiatra, educador físico, fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional, entre outros. Contudo, o tratamento deve se basear no seguinte tripé:

  • Medicamentos - alguns exemplos são o levodopa, que pode ser usado sozinho ou junto a outras medicações como os agonistas da dopamina e anticolinérgicos;
  • Reabilitação - fisioterapia e terapia ocupacional ajudam no controle do equilíbrio, da marcha e ainda podem incluir exercícios para melhora da resistência e força. Já a fonoterapia trabalha o distúrbio da voz e deglutição;
  • Exercícios físicos - essenciais, especialmente os do tipo aeróbicos, eles ajudam a prevenir quedas.

Outra possibilidade é a cirurgia. Indicada nos quadros em que haja tolerância ao levodopa ou o aumento de seus efeitos colaterais, ela não é curativa. O procedimento —chamado de estimulação transcraniana— tem tempo certo para ser feito e requer a presença de condições como a ausência de comorbidades e quadro demencial.

Mudanças na dieta podem ajudar?

A sugestão dos especialistas é que pessoas com Parkinson adotem uma dieta saudável e balanceada. O objetivo é manter a massa muscular bem desenvolvida, o que previne o risco de quedas.

Além disso, converse com seu médico sobre a eventual interação de medicamentos e alimentos. A depender da escolha terapêutica do profissional da saúde, alguns itens devem ser evitados.

O que esperar do tratamento?

A doença de Parkinson é uma doença crônica e progressiva. Como cada pessoa responde ao tratamento a seu modo, é difícil para o médico prever quais sintomas vão se agravar, bem como qual será sua intensidade no futuro.

Assim, os especialistas devem estar atentos a possíveis complicações como efeitos de altas doses dos medicamentos, por exemplo a discinesia, distúrbio caracterizado pelo descompasso dos movimentos —que passa da lentidão a movimentos serpentinosos involuntários—, além dos transtornos de impulso, como a perda do controle em relação ao sexo, compras e até jogo. Depressão, demência, problemas para engolir também são outras complicações possíveis.

Fontes: Eduardo Melo, neurologista do HC-UFPE (Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco), unidade vinculada à Ebserh (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares) e professor da mesma instituição; Uiara Raiana Vargas de Castro Oliveira Ribeiro, geriatra e professora da Escola de Medicina da PUC-PR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná); Wilson Gomes Júnior, neurologista e professor da Faculdade de Medicina da UFPR-Toledo (Universidade Federal do Paraná - campus Toledo). Revisão técnica: Eduardo Melo.

Referências: EBC (European Brain Council); Armstrong MJ, Okun MS. Diagnosis and Treatment of Parkinson Disease: A Review. JAMA. 2020 Feb 11;323(6):548-560. doi: 10.1001/jama.2019.22360. PMID: 32044947.

O que pode ser?

O que pode ser?