PUBLICIDADE
Topo

Jovens fazem prótese pra menina de 10 anos que nasceu sem mão tocar violino

Isabella sorri após tocar violino com sua nova prótese - Steve Helber/AP
Isabella sorri após tocar violino com sua nova prótese Imagem: Steve Helber/AP

Do UOL, em São Paulo

21/04/2017 17h37

Um grupo de estudantes da Universidade George Mason, nos Estados Unidos, recebeu um desafio: criar uma prótese para Isabella Nicola Cabrera, uma menina de 10 anos que nasceu sem a mão esquerda e uma parte do antebraço.

Na quinta-feira (19), Isabella recebeu sua prótese final, após vários testes e indicações dadas por ela de como os estudantes de bioengenharia poderiam melhorar o trabalho, segundo informações da agência AP. Construída com impressora 3D, foi pintada de rosa a pedido da pequena musicista.

21.abr.2017 - Prótese para Isabella Nicola Cabrera tocar violino e andar de bicicleta - Steve Helber/AP - Steve Helber/AP
Prótese para Isabella tocar violino e andar de bicicleta
Imagem: Steve Helber/AP

O sonho dela era tocar violino e sua professora de música na escola primária já havia construído uma prótese para ela, mas era pesada e elas pensaram que poderiam conseguir uma melhor.

Assim, recorreram à universidade e um grupo de cinco alunos foi incumbido de realizar a tarefa como seu trabalho de conclusão de curso.

Abdul Gouda, Mona Elkholy, Ella Novoselsky, Racha Salha and Yasser Alhindi disseram que a pressão foi grande. “Você tem uma menina contando com você e espera-se que você consiga”, disse Gouda.

21.abr.2017 - Isabella Nicola prepara violino para tocar com nova prótese - Steve Helber/AP - Steve Helber/AP
Isabella prepara o violino para tocar com nova prótese
Imagem: Steve Helber/AP

Foram diversos protótipos até chegar no projeto final, pois, apesar de haver projetos similares na literatura, o caso era único. O primeiro pesava 3,7 kg e a versão final ficou perto dos 3 kg.

Isabella tocou algumas escalas e alguns pedaços de Hino à Alegria, de Beethoven. “Meu Deus, é tão melhor assim”, disse Isabella ao testar a prótese final, que também permite que ela consiga andar de bicicleta.