Topo

Cometa desintegra e revela "coração de gelo" em seu interior

Uma camada intacta de gelo (na seta) é revelada no interior do cometa - ESA/Rosetta/MPS for OSIRIS Team MPS/UPD/LAM/IAA/SSO/INTA/UPM/DASP/IDA
Uma camada intacta de gelo (na seta) é revelada no interior do cometa Imagem: ESA/Rosetta/MPS for OSIRIS Team MPS/UPD/LAM/IAA/SSO/INTA/UPM/DASP/IDA

Do UOL, em São Paulo

21/03/2017 11h30

"Bolas de gelo sujo". Assim são chamados popularmente os cometas pelos astrônomos. Isso porque seus núcleos, cujas dimensões podem variar de cem metros a 40 quilômetros, são compostos por rochas, poeira, gases congelados e gelo.

O aparecimento destas camadas de gelo no interior de cometas é comum quando há o fenômeno da desintegração, que faz com que ele se despedace em fragmentos --que podem ser minúsculos, medindo poucos metros, ou enormes, dando origem a outros cometas.

A grande descoberta, publicada na Nature Astronomy, no entanto, é a ligação entre eventos destrutivos ocorridos no interior dos cometas, como o deslizamento de terra, com a desfragmentação destes, algo que até então carecia de provas.

Para chegar a tal conclusão, o astrônomo da Nasa Maurizio Pajola e outros pesquisadores analisaram imagens em alta definição das espaçonaves OSIRIS e Rosetta desta desintegração, ocorrida em 10 de julho de 2015.

Os pesquisadores conseguiram, então, rastrear a origem da desintegração, chegando até um penhasco chamado Aswan. Analisando as imagens da tal escarpa, constatou-se de que o colapso ocorrido nela, ou seja, o deslizamento de terra –um dos efeitos destrutivos do cometa-- se deu ao mesmo tempo que a desintegração do 67P/Churyumov-Gerasimenko.

A conclusão dos autores do estudo é de que o colapso do penhasco foi a causa da desintegração, bem como da remodelação da área nuclear do cometa, que acabou por expor a camada intacta de gelo, originados nas regiões frias do Sistema Solar durante sua formação.

Tilt