PUBLICIDADE
Topo

Rússia inicia simulação de 120 dias de viagem à Lua

19/03/2019 12h55

Moscou, 19 mar (EFE).- A Rússia iniciou nesta terça-feira uma simulação de uma viagem à Lua em uma instalação do Instituto de Problemas Biomédicos de Moscou, onde seis voluntários - três homens e três mulheres - permanecerão fechados por 120 dias.

No comando da "tripulação" está o cosmonauta russo Evgeny Tarelkin, que tem em seu currículo uma missão de 143 dias na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês).

Tarelkin contará com a companhia das russas Daria Zhidova, Anastasia Stepanova e Stefania Fediai e dos americanos Reinhold Povilaitis e Allen Mirkadyrov nesta "viagem".

Após seu retorno à Terra em março de 2013, Tarelkin já participou junto com seu colega Oleg Novitski de um teste de uma descida pilotada à superfície de Marte.

O cosmonauta declarou à agência oficial russa "RIA Novosti" que decidiu se juntar ao experimento para compartilhar com seus companheiros suas experiências de um voo espacial real e fazer propostas para que a simulação se aproxime o máximo possível das condições reais de um voo espacial.

O programa científico do teste inclui um total de 70 experimentos e reproduz as principais caraterísticas de uma viagem espacial real à Lua, incluindo a escolha do ponto de alunissagem, a descida, a permanência na órbita da Lua, o controle remoto de um veículo lunar e o retorno à Terra.

O Instituto de Problemas Biomédicos fabricou especialmente para esta missão um complexo experimental formado por módulos cilíndricos cujo interior imita a superfície lunar.

Como parte do teste, Tarelkin realizará "caminhadas lunares" junto com Povilaitis.

Os participantes do experimento passarão quatro meses dentro do complexo, totalmente isolados do mundo exterior.

"Trata-se de um teste de caráter psicológico, sem nenhuma comunicação, um isolamento total. O único contato permitido será com a família uma ou duas vezes por semana", comentou o cosmonauta.

A primeira etapa do experimento SIRIUS (sigla de Scientific International Research In Unique terrestrial Station) aconteceu em 2017 e durou 17 dias.

A segunda etapa começou hoje, e a terceira, prevista para 2020, deverá ter um prazo de oito meses. A quarta etapa poderia ampliar a estadia para um ano, um período que pode inclusive ser superado em testes posteriores. EFE