PUBLICIDADE
Topo

No Mobile World Congress, EUA reiteram acusações contra a Huawei

26/02/2019 16h10

Barcelona (Espanha), 26 fev (EFE).- O Departamento de Estado dos Estados Unidos aproveitou a realização do Mobile Word Congress (MWC), em Barcelona, para reforçar os ataques contra a empresa chinesa Huawei, acusada de espionagem pela Casa Branca.

A diplomacia americana está pressionando países aliados, provedores de internet e serviços de internet sem fio para evitar a Huawei, maior fabricante de equipamentos de telecomunicações e segunda maior produtora de smartphones do mundo, dizendo que a China pode desabilitar as redes ou usá-los para praticar espionagem.

Em declarações a jornalistas no MWC, o subsecretário-adjunto para a Comunicação Internacional e a Cibercomunicação do Departamento de Estado, Robert Strayer, afirmou que a decisão final é de cada país.

No entanto, apontou "riscos" de comprar produtos da Huawei.

"Você quer ter um sistema que está potencialmente comprometido pelo governo chinês ou apostar uma alternativa mais segura?", questionou o representante americano no congresso.

Mais cedo, o presidente rotatório da Huawei, Guo Ping, criticou as acusações "sem evidências" feitas pelo governo americano sobre a segurança da tecnologia 5G desenvolvida pela empresa.

"Elas não fazem sentido", resumiu o executivo.

Strayer disse que, apesar das críticas da Huawei, os governos com os quais conversou "estão entendendo" a postura americana sobre os riscos de segurança da tecnologia da empresa.

"Sabemos que a empresa Huawei, em particular, foi desonesta", afirmou o funcionário do Departamento de Estado, sem responder aos pedidos dos jornalistas para que apresentasse provas.

O subsecretário-adjunto afirmou que a Ericsson e a Nokia serão as responsáveis por instalar a rede de tecnologia 5G nos EUA.

A crise da Huawei, acusada de espionagem industrial e fraude bancária nos EUA, atrapalha os planos da empresa de se apresentar no MWC como um aliado tradicional das operadoras europeias. EFE