PUBLICIDADE
Topo

Genes do pai podem ter impacto no cuidado materno, aponta estudo

31/07/2018 16h10

Washington, 31 jul (EFE).- Um grupo de pesquisadores determinou que os genes paternos podem ter impacto no grau de cuidado e amor das mães, antes e depois do parto, segundo um estudo publicado nesta terça-feira na revista especializada "PLOS Biology".

Uma equipe da Universidade de Cardiff, no País de Gales, pesquisou durante anos os sinais hormonais emitidos pela placenta durante a gravidez para determinar o grau de influência da carga genética paterna.

O feto em desenvolvimento tem duas cópias do gene PHLDA2, mas, ao contrário da maioria, só uma cópia de PHLDA2 está ativa. Isso se deve a um fenômeno evolutivo chamado impressão genômica, pelo qual só se acende a cópia do gene de um dos pais.

Utilizando ratos geneticamente alterados, os pesquisadores se perguntaram o que aconteceria se ambas as cópias do gene PHLDA2 do feto estivessem ativas, ou seja, uma afecção "maternalizada", ou se ambas ficassem inativas, em uma afecção "paternalizada", segundo os autores.

A equipe descobriu que as mães com fetos com maior atividade de PHLDA2 "amamentavam e cuidavam menos dos filhotes, e se concentravam na construção de ninhos". Pelo contrário, as mães com fetos "paternalizados" dedicaram mais tempo a alimentar os seus filhotes e menos a tarefas domésticas.

Os autores do estudo também mostraram as mudanças correspondentes em duas regiões do cérebro da mãe: o hipotálamo e o hipocampo.

Esta descoberta é importante porque, de acordo com os pesquisadores, sugere que o pai, ao fazer com que o seu gene PHLDA2 fique inativo no feto, pode inclusive afetar o comportamento nutritivo da mãe depois do nascimento do filho.

Os autores especulam que isto pode ter relevância para os seres humanos, já que os níveis de atividade do gene PHLDA2 variam entre as gestações humanas e se correlacionam inversamente com os hormônios placentários.

As mudanças nas prioridades da mãe durante a gestação e depois do nascimento são de importância crítica para o bem-estar do bebê e a sua saúde mental ao longo da vida.