Topo

Missão tripulada a Marte está mais perto do que parece, diz Buzz Aldrin

Da Cidade do México

31/07/2013 18h00

O americano Buzz Aldrin, astronauta que participou da missão Apolo 11 junto com Neil Armstrong, afirmou nesta quarta-feira (31) que é "vital" a cooperação internacional para explorar Marte, na abertura da quarta edição da Campus Party México.

É preciso "explorar como fizemos há 44 anos, mas para isso é preciso apoio público e cooperação" de órgãos privados e independentes, e também que as próximas gerações se interessem por ciência, tecnologia e matemática, disse ele durante a conferência na Cidade do México.

Infográfico

  • Arte/UOL

    Veja até onde o homem chegou no espaço

Marte deveria ser "nosso próximo destino", afirmou Aldrin, piloto do módulo do ônibus espacial Apolo 11, primeira missão a pisar na lua, em 1969, ao enfatizar que este objetivo está mais próximo da realidade do que parece. Para isso, "é fundamental encontrar maneiras competitivas para seguir inovando".

Usando uma gravata com um desenho de sua chegada à lua, o piloto lembrou que realização da Apolo11 foi possível graças ao trabalho em equipe e à inovação.

"Neil foi o primeiro homem a pisar na Lua, porque era o líder da missão - ou porque estava mais perto da porta", lembrou, sem revelar qual foi a verdadeira razão.

Aldrin contou que aterrissar na superfície lunar foi a parte "mais complicada" da missão porque só havia mais 18 segundos de combustível.

Inspiração para um dos principais personagens da série de filmes "Toy Story", o ex-astronauta revelou que ao término da missão caiu em uma depressão que acabou com seu casamento e começou a beber. "Levei um tempo para me recuperar", disse.

Ele acabou de lançar o livro Mission to Mars (ainda sem tradução no Brasil) e está envolvido no jogo "Buzz Aldrin Space Program Manager", com previsão de lançamento para o outono do hemisfério norte.  E sonha: "Nunca sei onde estarei: se não tiver nada melhor, gostaria dirigir um 'Hummer' (automóvel 4x4) no Polo Sul".

Mais Tilt