PUBLICIDADE
Topo

Trio divide Nobel de Física 2009

06/10/2009 11h23

Estocolmo, 6 out (EFE).- O pesquisador sino-britânico Charles K. Kao e os americanos William S. Boyle e Georges E. Smith foram anunciados hoje como os ganhadores do Prêmio Nobel de Física 2009.

Segundo a Real Academia Sueca de Ciências, o trio de cientistas receberá dez milhões de coroas suecas (US$ 1,4 milhões). A quantia será entregue em 10 de dezembro, quando é lembrado o aniversário da morte de Alfred Nobel, o criador do prêmio.

Kao foi premiado por seus trabalhos na área da comunicação óptica. Em 1966, ele conseguiu fazer o cálculo necessário para transmitir energia por longas distâncias através de uma fibra óptica.

O entusiasmo do pesquisador inspirou outros cientistas, o que, em 1970, levou à criação da fibra óptica que serviu de base para as conexões em rede do mundo atual.

Já Boyle e Smith foram reconhecidos por inventarem o dispositivo eletrônico das câmeras fotográficas. Em 1969, a dupla desenvolveu uma tecnologia de imagem que Albert Einstein já havia vislumbrado em suas teorias: o CCD (Charge-Coupled Device), um dispositivo de cargas elétricas interconectadas que transforma a luz em sinais elétricos.

O CCD, que é o olho eletrônico das câmeras digitais, revolucionou a fotografia ao permitir que a luz fosse capturada de forma eletrônica, e não mais sobre um filme.

Charles Kuen Kao nasceu em Xangai (1933), mas também tem nacionalidade britânica e americana. Ele estudou engenharia eletrônica no Imperial College de Londres e dirigiu o laboratório de Engenharia e Telecomunicações de Harlow, na Inglaterra. Depois, trabalhou na Universidade de Hong Kong até 1996, quando se aposentou.

Willard Sterling Boyle, por sua vez, nasceu em 1924, no Canadá. Fez doutorado em Ciências Físicas em 1955 e, em seguida, virou diretor de Comunicação dos Laboratórios Bells, em Nova Jersey (EUA). Aposentou-se em 1979.

Já Georges Elwood Smith nasceu em 1930, no estado de Nova York. Doutor (1959) pela Universidade de Chicago, também foi pesquisador nos Laboratórios Bells. Parou de trabalhar em 1986.