Topo

Dinossauros herbívoros trocavam dentição todo mês, descobre estudo

Em Washington

17/07/2013 22h06

Os dinossauros herbívoros que povoavam a Terra há 150 milhões de anos evoluíram para não ter problemas com os dentes quebrados, já que voltavam a nascer todos os meses, de acordo com estudo norte-americano divulgado nesta quarta-feira (17) no periódico PLOS One.

Os cientistas analisaram os fósseis de dois dos maiores herbívoros que já viveram no continente norte-americano - o diplodocus e o camarasaurus - e descobriram que seus dentes se renovavam uma vez por mês.

Esses grandes dinossauros dispunham, inclusive, de "dentes de segurança", assim como os humanos têm dentes de leite que são substituídos pelos da idade adulta, revela a pesquisa.

"Um saurópode de quase 30 metros de comprimento podia ter um novo dente em cada posição a cada um ou dois meses, às vezes muito mais rápido", comentou Michael D'Emic, pesquisador da Universidade Stony Brook de Nova York.

"Os saurópodes tinham uma aproximação que privilegiava a quantidade, mais do que a qualidade, no que se refere aos dentes, frente à posição dos grandes mamíferos dos nossos dias", acrescentou.

Regeneração humana

  • UOL

    Veja a frequência com que partes do corpo trocam de célula

Os cientistas conseguiram chegar a essa conclusão ao estudar os diferentes estratos de matéria dental abaixo do esmalte dos dentes que já haviam nascido.

Os camarasaurus tinham, por exemplo, até três mudanças de dente de leite em cada dente. A substituição acontecia a cada 62 dias em média, segundo o estudo. Já os diplodocus tinham até cinco trocas de dentes para cada um deles, no intervalo de até 35 dias.

Esses grandes herbívoros tiveram de se adaptar, porque engoliam grandes quantidades de comida, que arrancavam das árvores ou das matas espessas. Isso acabava rapidamente com sua dentadura.

Mais Tilt