PUBLICIDADE
Topo

Problemas antitruste do Google estão longe de acabar se Biden vencer

22/10/2020 09h25

Por Diane Bartz

WASHINGTON (Reuters) - O incipiente processo antitruste do Departamento de Justiça dos Estados Unidos contra o Google receberá a atenção que precisa para ser bem-sucedido se o democrata Joe Biden ganhar a presidência dos Estados Unidos no mês que vem, afirmam especialistas.

William Kovacic, professor antitruste da Escola de Direito da Universidade George Washington, disse que espera que o Departamento de Justiça de Biden faça uma de duas coisas: apoiar o caso como está ou alterar a acusação para adicionar novas reivindicações.

"O que eles não farão é desistir deste caso", previu Kovacic.

O Departamento de Justiça pediu a um tribunal na terça-feira que descobrisse se o Google, da Alphabet, violou a lei antitruste para manter seu domínio nas áreas de buscas e publicidade. O Google tem negado qualquer irregularidade.

Embora a campanha de Biden tenha recusado comentar sobre o processo, o porta-voz Bill Russo disse que o governo Biden trabalharia em conjunto com o deputado David Cicilline nas questões da empresa, cujo comitê da Câmara produziu um relatório que acusava o Google de usar táticas de negócios agressivas para frustrar seus concorrentes.

Russo acrescentou que o governo Biden estaria comprometido em fazer "muito mais para garantir que o poder excessivo de mercado em qualquer lugar ... não prejudique as famílias e os trabalhadores da América".

Em maio, Biden disse à Associated Press que desmantelar a companhia "é algo que devemos examinar com atenção".

Herbert Hovenkamp, que leciona sobre concorrência na Carey Law School na University of Pennsylvania, disse que espera que o processo federal - que está estritamente focado no domínio do Google na busca online e na publicidade em buscas - seja expandido sob Biden.

Um caso com o objetivo de responsabilizar uma empresa por vários atos anticompetitivos permitiria aos promotores pedir uma medida mais significativa e com maior impacto no Google.

O governo Biden não precisaria pensar muito em como expandir seu processo. O procurador-geral do Colorado, Phil Weiser, um veterano do Departamento de Justiça do presidente Barack Obama, lidera um grupo bipartidário de Estados que examinam "todo o escopo das atividades do Google", de acordo com uma fonte familiarizada com a investigação.

Isso significa que o Colorado pode estar olhando para outros aspectos dos negócios do Google, como alegações de que o Google usa sua popular função de busca para favorecer grandes anunciantes e seus próprios produtos, como o YouTube.

Weiser e outros procuradores-gerais de Estados elogiaram na terça-feira a "boa relação de trabalho com o DOJ nessas questões sérias" e disseram que sua investigação terminaria "nas próximas semanas".