PUBLICIDADE
Topo

Na hora do desespero, qual o jeito mais rápido de carregar o celular?

Existem formas de acelerar o carregamento da bateria - Getty Images
Existem formas de acelerar o carregamento da bateria Imagem: Getty Images

Rodrigo Lara

Colaboração para o UOL, em São Paulo

22/08/2018 04h00

Tenho certeza que você já se viu na situação de pensar: qual a forma de obter o máximo de bateria no menor tempo possível? 

Você pode carregar na tomada da parede, usando a saída USB de um notebook ou apelando para uma bateria externa, os chamados powerbanks, por exemplo. Mas será que alguma dessas formas é mais eficiente?

Primeiramente, é preciso entender que o tempo de recarga varia de acordo com o método usados, mas também é influenciado pelo modelo do celular e pelo tipo de carregador e cabo.

O que determina a velocidade de recarga é o quanto de energia a bateria é capaz de receber de uma fonte --quanto mais rápida for essa transferência, mais rápida ela ficará cheia. Então, uma boa forma de saber qual o melhor método é levar em conta a potência (medida em watts) da fonte de energia.

Carregadores simples costumam fornecer correntes entre 0,5 A e 0,9 A, com potência variando entre 2,5 e 4,5 W. Carregadores turbo trabalham com correntes maiores, entre 3 A e 4 A, portanto com potências mais altas, próximas dos 20 W, e por isso são mais eficientes.

Outro ponto é que se a bateria do seu celular tem uma grande capacidade, significa que ela vai demorar mais tempo para encher.

O sistema dos celulares também conta, porque é ele que gerencia o quanto de corrente e potência o carregador está "autorizado" a fornecer para a bateria. Aparelhos de marcas como Apple (Fast Charging), Samsung (Adaptive Fast Charging) e celulares com plataforma Snapdragon (Qualcomm Quick Charge) se beneficiam dessas tecnologias de carregamento rápido.

Os recursos devem ser compatíveis. Ou seja, é preciso 'casar' a necessidade de energia que o celular vai requerer com a possibilidade de fornecimento de energia do carregador usado

Glauco Ribeiro dos Santos, do Laboratório de Sistemas de Energia do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD)

Para se ter uma ideia, os carregadores Fast Charging da Apple são capazes de enviar ao iPhone uma corrente de 2 A e tem potência máxima de 29 W. A tecnologia Qualcomm Quick Charge 3.0 nos celulares permite carregadores que enviam corrente de até 4,6 A, com potência máxima de 18 W.

E na prática, qual é melhor?

Como as especificações de carregadores e celulares variam muito, não é tão simples determinar qual método de carregamento vai funcionar melhor para você. Ainda assim, a lógica que se aplica é: quanto mais potência for fornecida pelo carregador e aceita pelo celular, mais rápido será o carregamento.

O comparativo abaixo considerou apenas produtos originais ou certificados pelas fabricantes -- carregadores e cabos piratas são perigosos, porque podem fornecer uma tensão fora das especificações do celular e fazem com que o aparelho tenha um esforço extra para regular a tensão de entrada.

Sendo assim, os métodos mais eficientes foram:

1) Carregador turbo de tomada por fio ou indução

(capaz de fornecer correntes entre 3 A e 4 A)

2) Porta USB-C de notebook e computador

(capaz de fornecer uma corrente de 3 A)

3) Carregador de parede original e powerbank

(capazes de fornecer uma corrente mínima de 2 A)

4) Carregador de carro original

(capaz de fornecer uma corrente mínima de 2 A)

5) Porta USB 3.1 ou inferior de computador e notebook

(capaz de fornecer no máximo uma corrente de 0,9 A)

Mas, atenção: não adianta deixar o aparelho carregando no método mais eficiente se ele continuar executando tarefas que consumam muita energia. Fazer isso seria como tentar enxugar gelo. Obviamente, o tempo de carga será maior se o smartphone estiver consumindo a bateria enquanto carrega. 

Se o Bluetooth, GPS, wi-fi e 4G estiverem ligados, o tempo de carga pode ser de até 20% mais demorado

Marcelo Castro, fundador da fabricante de acessórios para celular i2GO

Todo celular tem um gerenciador de energia interno, que direciona a corrente dentro do equipamento, explica Glauco Ribeiro dos Santos. Se houver outra demanda de energia, ele vai priorizar o envio de corrente para esta parte do aparelho, em vez da bateria.

Ou seja, o celular carrega mais rápido quando está desligado.

Mas, se você não quiser desligar, pode restringir outras funções do aparelho. Ligar o Modo Avião realmente ajuda na hora de obter um carregamento mais rápido.

Segundo o CPqD (Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações), a ordem é:

  1. Celular completamente desligado
  2. Celular em modo avião
  3. Só wi-fi ligado
  4. Só Bluetooth ligado
  5. Só 4G ligado
  6. Wi-fi e Bluetooth ligados
  7. Wi-fi e 4G ligados
  8. Bluetooth e 4G ligados
  9. Bluetooth, wi-fi e 4G ligados
  10. Bluetooth, wi-fi, 4G e GPS ligados

E o vencedor é…

A conclusão é que, na hora do desespero, o melhor método é aquele que une um alto fornecimento de energia para o aparelho enquanto ele gasta o mínimo de energia possível. Ou seja, um celular desligado usando um carregador turbo de parede original.

Caso você não tenha um acessório assim, tente deixar o celular desligado. Ainda que você fique fora do ar por alguns minutos, essa pode ser a diferença entre obter ou não aqueles preciosos minutos extras de bateria que podem te tirar do sufoco. 

Só Tilt Salva! Dicas para você aproveitar muito seu celular

Confira nossa página

Bateria do iPhone rende bem mais com um único clique

UOL Notícias