Topo

Curiosidades


Fanatismo e conspirações: as sociedades secretas (ou nem tanto) dos games

Joseph Seed na "Santa Ceia" de "Far Cry 5" - Divulgação
Joseph Seed na "Santa Ceia" de "Far Cry 5" Imagem: Divulgação

Makson Lima

Colaboração para o START, em São Paulo

17/08/2019 04h00

As histórias mirabolantes dos games não seriam as mesmas sem um pouco de fanatismo religioso. O tema está presente em diversos gêneros e jogos, sendo abordado com variados graus de sucesso. Às vezes é uma representação caricata demais, outras vezes é uma viagem absurda mas que começa a ficar parecida demais com a vida real.

Aproveitamos a chegada do indie "The Church in the Darkness" (PC, Switch, PS4, Xbox One) para olhar em retrospecto e responder: quais são as seitas mais marcantes/traumatizantes dos games?

Collective Justice Mission - The Church in the Darkness

Não esqueça da sua pílula de cianureto - Divulgação
Não esqueça da sua pílula de cianureto
Imagem: Divulgação

Os missionários Rebecca e Isaac Walker deram início ao Collective Justice Mission (em inglês mesmo, já que o jogo não foi localizado para nosso idioma, infelizmente) nos anos 60, migrando o grupo dos Estados Unidos para um país fictício da América do Sul no final dos anos 70. Você entra na história em busca de seu sobrinho, Alex, que não dá notícias há mais de seis meses.

O fanatismo religioso, quando de mãos dadas com posições políticas severas e mentalidade de guerrilha, pode se transformar numa fórmula das mais perigosas, pouco importando as belas origens altruístas do grupo. "The Church in the Darkness" pode parecer simples na execução, mas carrega uma mensagem poderosíssima. É, essencialmente, "Jim Jones The Games", pelo bem ou pelo mal.

Os Patriotas - Metal Gear Solid

La-li-lu-le-lo! La-li-lu-le-lo! La-li-lu-le-lo! - Divulgação
La-li-lu-le-lo! La-li-lu-le-lo! La-li-lu-le-lo!
Imagem: Divulgação

Se você procura tramas convulsionadas, complexas e repletas de conjecturas, a franquia "Metal Gear Solid" é a resposta. A série ainda flerta com preceitos illuminati com sua sociedade secreta, a La-li-lu-le-lo, antes Cipher, idealizada pela mente bélica mais genial dos Estados Unidos e do mundo, a lendária The Boss. O total controle dos Estados Unidos, reformulando e reorganizando os Filósofos Americanos, é o objetivo inicial do conglomerado, cujos fundamentos partem do visionário pensamento de globalização de The Boss, que reuniu as mais influentes, abastadas e temidas mentes do país. Se já é assustador em ficção, imagine quando paralelismos com a realidade são muito mais que meras coincidências...

Los Illuminados - Resident Evil 4

Será que "Morir es vivir!"? - Divulgação
Será que "Morir es vivir!"?
Imagem: Divulgação

O inexplicável, visto como divino; o incontrolável, temido e respeitado. "Resident Evil" já era sucesso absurdo quando o quarto capítulo numerado chegou "exclusivamente" (e você sabe bem o porquê das aspas) ao GameCube em 2005. Depois do fracasso comercial do remake de 2002, a reestruturação em "Resident Evil 4" foi brutal, tanto em gameplay quanto em proposta narrativa. Shinji Mikami bem sabe, melhor do que ninguém. Leon, o novato que encarou a epidemia zumbi em Raccoon City anos antes, parte em busca da filha do presidente dos Estados Unidos num recôndito vilarejo espanhol, cujos moradores vivem por e para sua seita religiosa, Los Illuminados. Controle de mentes através de parasitas pré-históricos pode parecer algo de ficção científica, mas será que a alienação religiosa está assim tão distante de tal conceito? Eu acho que não.

Testamento do Novo Ezequiel - Outlast 2

"Deus, me dá voz, Deus, guia minha mão" - Divulgação
"Deus, me dá voz, Deus, guia minha mão"
Imagem: Divulgação

Sullivan Knoth é um sujeito podre, nojento. Estuprador, infanticida e também líder do culto religioso de "Outlast 2". Temple Gate é a cidade, Testamento do Novo Ezequiel é a seita e você, Blake, é um repórter no lugar errado e na hora errada. Para piorar, sua esposa, Lynn, desaparece em meio a esse caos. Não fosse o suficiente, há também os Hereges, ainda mais fanáticos e inimigos, inclusive, de Knoth, com quem travam uma guerra santa há tempos. Não sei vocês, mas só de lembrar aquele trecho com os leprosos, meu estômago já fica do avesso. "Outlast 2" é uma experiência pesadíssima ? e espero que venha logo o terceiro.

Projeto do Portão do Éden - Far Cry 5

Vinde a mim, pecadores! - Divulgação
Vinde a mim, pecadores!
Imagem: Divulgação

Joseph Seed, seu coque samurai, tatuagens e palavras de fé foram mais que suficiente para elevá-lo ao status de líder máximo do Projeto do Portão do Éden. Preparados para guerra, aguardando o fim dos dias. Suas táticas de alienação, e também a de seus irmãos, Faith e Jacob, compensam a falta de treinamento militar. É uma versão do velho conceito de "família tradicional de bem" que, convenhamos, não pratica exatamente o bem em "Far Cry 5".

Perfect Heaven - Sagebrush

No alto da colina, redenção - Divulgação
No alto da colina, redenção
Imagem: Divulgação

"Sagebrush" é tão pé no chão, tão crível, que chega a machucar. É uma experiência narrativa que me deixou devastado. E quando levo em consideração que foi tudo a criação de um único desenvolvedor, Nathiel Berens, fica claro como o jogo é pessoal. Aqui, voltamos a Perfect Heaven, uma comunidade alternativa isolada nas montanhas. Pessoas disfuncionais encontraram refúgio nas palavras e ensinamentos de James, o líder do lugar, mas algo deu muito errado. Relembrar é encarar de frente o trauma, é redenção.

Combine - Half-Life 2

Só ouve e obedece, cidadão! - Divulgação
Só ouve e obedece, cidadão!
Imagem: Divulgação

Ainda me pego pensando, madrugada adentro, no final do segundo episódio de "Half-Life 2", mesmo quinze anos depois. Pois é, não somos merecedores do desfecho dessa história. Também não somos merecedores de ingressar em Combine, o conglomerado intergaláctico multidimensional e principal antagonista do jogo e de Gordon Freeman. Se G-Man tem parte com Combine? Não tenho a menor dúvida, mas tudo é conjectura, e a ideia do controle e alienação de massas pode, sim, ir além deste planeta, desta realidade, das formas de vida baseadas em carbono. Isso, sim, é assustador.

50 Blessings - Hotline Miami

Sintetizadores, neon e recrutamento subliminar - Divulgação
Sintetizadores, neon e recrutamento subliminar
Imagem: Divulgação

Sai de cena a religião, entra o ultranacionalismo nascido de interesses em conflito, guerras civis e anos de repressão. "Hotline Miami" pode ser encarado como um top-down estilo arcade, ultraviolento e ultrafrenético, mas também pode ser analisado por suas entrelinhas, muitas vezes mais explícitas que as tripas espalhadas pelas paredes. Os Janitors têm sua forma subliminar e altamente efetiva de recrutar gente quebrada, doente e problemática para a causa, e as consequências são nada além de avassaladoras. Tudo no ritmo de sintetizadores e neon do final dos anos 1980. E não, nunca haverá um "Hotline Miami 3".

The Sect of Valtiel - Silent Hill 3

Eles parecem monstros para você? - Divulgação
Eles parecem monstros para você?
Imagem: Divulgação

A Ordem de "Silent Hill" talvez seja a mais popular de todas as seitas religiosas dos games. Muitos dos jogos da série exploraram esse lado mais milenar e macabro da cidade de sombras e névoa. The Sect of Valtiel é, no entanto, seu braço mais covarde e ardiloso, afinal, doutrina crianças aos ensinamentos religiosos do lugar. Valtiel, uma das criaturas mais misteriosas da franquia, é visto como anjo aos olhos de fiéis como Vincent e Claudia, e é o protetor pessoal de Alessa, o receptáculo divino. O assunto vai longe.

SIGA O START NAS REDES SOCIAIS

Twitter: https://twitter.com/start_uol
Instagram: https://www.instagram.com/start_uol/
Facebook: https://www.facebook.com/startuol/
TikTok: http://vm.tiktok.com/Rqwe2g/
Twitch: https://www.twitch.tv/start_uol

Curiosidades