PUBLICIDADE
Topo

Caso Alec Baldwin: polícia diz que ainda é cedo para 'acusações formais'

27/10/2021 16h17

A polícia e a promotoria em Santa Fé, no Estado do Novo México (EUA), disseram que a investigação sobre o tiro disparado pelo ator Alec Baldwin no set do filme Rust ainda está em fase inicial e ainda é prematuro formalizar acusações contra envolvidos no caso. O disparo matou a diretora de fotografia Halyna Hutchins e feriu o diretor Joel Souza.

"Todas as opções estão na mesa nesse ponto", disse a promotora Mary Carmack-Altwies. "Se os fatos, as provas e a lei forem condizentes com a formalização de acusações, então eu iniciarei o processo", disse ela. Carmack-Altwies declarou ter sido indicada para o caso por não tomar decisões precipitadas. Ninguém foi preso até o momento.

Duas pessoas manejaram a arma antes de entregá-la a Baldwin, o diretor-assistente Dave Halls e Hannah Gutierrez-Reed, técnica responsável pelas armas do filme. "Todos os três indivíduos cooperam com a investigação e prestaram depoimento", afirmou o xerife Adam Mendoza.

Questionado se Baldwin é considerado suspeito, o xerife Mendoza declarou que "ele é a pessoa que disparou a arma. Neste momento, é uma parte ativa da investigação".

Mendoza ressaltou que muitas análises de provas estão sendo realizadas e havia muitos depoimentos ainda a serem prestados. Mas declarou que alguns fatos estão estabelecidos: "Uma arma foi entregue ao ator Alec Baldwin. A arma era funcional e disparou uma bala de verdade que matou Hutchins e feriu Souza".

"Neste momento, nós vamos determinar como munição real chegou ao set, por que se encontrava lá. Ela não deveria estar lá."

Ele também informou que 600 itens que podem servir de prova foram recolhidos do set de filmagem, incluindo 3 armas de fogo e 500 cartuchos de munição. Também foi dito que um "projétil de chumbo" foi retirado do ombro de Joel Souza.

"Nós consideramos que especificamente esse cartucho disparado a bala de verdade disparada pelo revólver do sr. Baldwin", declarou Mendoza.

Os produtores do filme Rust contrataram uma equipe de defesa para o caso. A firma de advocacia Jenner & Block confirmou à BBC News que será a representante legal no processo.

Outro disparo inesperado em 2019

Em 2019, segundo a imprensa americana, Dave Halls foi demitido do cargo de assistente de direção do filme Freedom's Path, quando uma arma "disparou inesperadamente" no set de filmagem. Um membro da equipe de som se feriu e ficou de licença por alguns dias.

Baldwin, Hutchins e Souza estavam no Rancho Bonanza Creek, no Estado americano do Novo México, filmando Rust, um filme de cowboy ambientado no século 19.

Segundo informações do inquérito divulgadas pela imprensa americana, a morte de Hutchins ocorreu durante o ensaio de uma cena em que Baldwin sacou um revólver e o apontou para a câmera.

De acordo com declarações de Souza e do cinegrafista Reid Russell, Baldwin recebeu a arma e foi informado de que ela estava descarregada.

"Joel disse que Alec estava sentado em um banco da igreja e praticando como sacar a arma", informam os documentos encaminhados à Justiça.

De acordo com o jornal Los Angeles Times, alguns membros da equipe de câmeras do filme haviam pedido demissão algumas horas antes da tragédia por causa das condições de trabalho na filmagem, em uma praia próxima à cidade de Santa Fé.

Os trabalhadores afirmaram que combinado era que ficassem em um hotel em Santa Fé, mas após o início das gravações eles tinham que dirigir 80km todos os dias para ir da cidade de Albuquerque para o local das filmagens.

Hutchins era ucraniana e cresceu em uma base militar soviética no Ártico. Ela estudou jornalismo em Kiev e trabalhava em Los Angeles. Foi descrita como uma "estrela em ascensão" pela revista American Cinematographer em 2019.

Ela foi diretora de fotografia do filme Arqui-inimigo, dirigido por Adam Egypt Mortimer, no ano passado, e agora trabalhava na filmagem do longa Rust.