PUBLICIDADE
Topo

'Salvator Mundi' da escola de Leonardo da Vinci é encontrado em casa na Itália

18.01.2021 - Um policial ao lado do "Salvator Mundi" recuperado em um apartamento em Nápoles (Itália) - KONTROLAB/LightRocket via Getty Images
18.01.2021 - Um policial ao lado do 'Salvator Mundi' recuperado em um apartamento em Nápoles (Itália) Imagem: KONTROLAB/LightRocket via Getty Images

De Roma

19/01/2021 11h56

Um "Salvator Mundi", quadro do ateliê de Leonardo da Vinci que estava exposto em uma igreja em Nápoles, cujo desaparecimento passou despercebido devido à pandemia de covid-19, foi encontrado no apartamento de um napolitano.

A pintura roubada, que representa um Cristo "salvador do mundo", estava originalmente no museu da Basílica de Santo Domingo Mayor. A instituição faz parte de um famoso complexo monástico no centro histórico de Nápoles.

Segundo o promotor de Nápoles, Giovanni Melillo, nenhuma denúncia de furto foi registrada.

"Entramos em contato com o responsável pelo complexo, que não tinha conhecimento do desaparecimento, porque a sala onde fica o quadro não era aberta há três meses", explicou.

Os museus italianos abriram muito pouco nos últimos 12 meses, em função da pandemia de coronavírus. Segundo imagens divulgadas pela polícia, a pintura era guardada em uma ampla sala com enormes portas de madeira, com fechadura antiga e chave inicialmente guardada em um cofre.

A investigação está em andamento, mas "é plausível que se trate de um roubo patrocinado por uma organização que lida com o comércio internacional de arte", acrescentou em entrevista à imprensa napolitana na noite de segunda-feira.

A obra foi encontrada no último sábado na parte superior de um armário, na casa de um comerciante de 36 anos, que afirma tê-la comprado em "um mercado de pulgas" (vários objetos, antigos e novos). Um rifle foi apreendido em seu quarto.

Alfredo Fabbrocini, que chefiou a operação policial, referiu-se a uma investigação "complexa" e expressou sua "grande satisfação por ter restituído um bem tão importante à cidade de Nápoles".

A igreja de São Domingos Maior, que já foi roubada no passado, guarda um conjunto de obras importantes. Algumas já foram expostas em museus de Nápoles, como é o caso de pinturas de Caravaggio, Rafael e Ticiano.

R$ 2 bilhões

02.11.2017 - O 'Salvator Mundi' original de Da Vinci, exibido em Nápoles antes de sua venda - LightRocket via Getty Images - LightRocket via Getty Images
02.11.2017 - O 'Salvator Mundi' original de Da Vinci, exibido em Nápoles antes de sua venda
Imagem: LightRocket via Getty Images

Em 2017, um "Salvator Mundi" atribuído a Leonardo da Vinci foi comprado por US$ 450 milhões (R$ 2,4 bilhões) pelas autoridades dos Emirados Árabes Unidos, informou na época o Museu do Louvre de Abu Dhabi.

Essa pintura de 65 x 45 cm, na qual Cristo emerge das trevas - abençoando o mundo com uma mão e segurando um globo transparente com a outra - foi atribuída em 2010 a Leonardo da Vinci, após exaustivas investigações ainda questionadas por alguns especialistas.

Em 2019, porém, quando França e Itália comemoraram 500 anos do gênio italiano, não conseguiram encontrar a obra mais cara do mundo, que os dois países esperavam pedir emprestado.

A obra encontrada em Nápoles é um óleo sobre madeira, atribuído a outro artista da escola do grande mestre quando este voltou a viver em Milão, no final da sua vida, no início do século XVI, afirma o museu da basílica no seu site.

A obra provavelmente foi comprada em Milão por um conselheiro e embaixador de Carlos V.

O "Salvator Mundi" atribuído a Leonardo da Vinci e o do museu napolitano foram expostos juntos em Nápoles durante uma exposição organizada por ocasião da visita do papa Francisco à cidade em 2015.

A iconografia do "Salvator Mundi" se inspira em uma representação de Cristo da época bizantina, retomada em primeira instância por pintores flamengos.