PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

João "vingador", Sarah "fofoqueira" e Projota "sagaz" no jogo da discórdia

BBB 21: Projota e João discutem durante o jogo da discórdia - Reprodução/Globoplay
BBB 21: Projota e João discutem durante o jogo da discórdia Imagem: Reprodução/Globoplay
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

02/03/2021 11h50

O já tradicional "jogo da discórdia" das segundas-feiras se tornou uma atividade essencial para criar rusgas e estimular dissenso entre os participantes. Muito do conteúdo que alimentará Mr. Edição por uma semana é gerado pela "brincadeira" semanal.

A forma como os "brothers" expõem as suas divergências é muito importante também. Mas para o público. O "jogo da discórdia" é sempre uma oportunidade de conhecer melhor os participantes, seja observando como fazem críticas aos colegas, seja analisando como se defendem das "acusações".

Pensando neste segundo aspecto, não no primeiro, faço abaixo algumas observações sobre como apreendi a interação desta segunda-feira (01), uma das mais animadas da temporada.

1. Classificado como "turista" por vários participantes, ou seja, como alguém pouco engajado no "BBB", Rodolffo sentiu o golpe. Antes de dar as duas placas que cabia a ele, fez um breve discurso dizendo que já teve, sim, vários desentendimentos com colegas, mas resolveu todos em conversas privadas.

2. Projota escolheu Caio ("pipoqueiro") e João ("duas caras") como pretexto para fazer um discurso em defesa da sua permanência na casa. Apresentou-se como vítima de desprezo de todos os participantes enquanto foi penalizado com o "monstro". "Foi humilhante, me senti rejeitado por todos na casa". Achei sagaz.

3. Lumena reforçou a imagem de que trouxe um discurso pronto (e confuso) para o "BBB". Distorceu o sentido da palavra "oportunista" ao dar esta placa a Juliette. Ao receber esta mesma placa da rival, Lumena aproveitou o momento para, como Projota, defender a sua permanência na casa. "Eu não vim para o Big Brother para ensinar absolutamente nada para ninguém". O paredão desta noite dirá se foi convincente, ou não.

4. Sarah fez uma acusação a Projota baseado no que Rodolffo e Caio disseram para ela. Não o que ela ouviu. Para quem prestou a atenção na sua fala, a participante expôs uma faceta negativa, de fofoqueira.

5. Carla foi alvo de críticas de Caio, Rodolffo e Fiuk. Foi a participante mais atacada durante a atividade. Mais importante do que saber quem tinha razão, acredito que a posição em que foi colocada (alvo de três homens) a beneficia na percepção do público. Por outro lado, ser parceira de Arthur, mal visto por parte dos espectadores, a atrapalha.

6. Thaís não conseguiu se expressar na atividade. Foi um momento angustiante. A dificuldade que exibiu passou a impressão de que é alguém sem condições de participar do jogo. Ela precisará expor as razões do seu "apagão" para tentar recuperar a simpatia do público.

7. Vih Tube foi mais uma vez ignorada no jogo da discórdia, nem de turista foi chamada. É a consagração da jornada de uma participante que se expõe muito pouco e é vista como planta. Nem sempre isso é negativo no "BBB".

8. João respondeu duramente a Projota. Não entendeu, ou fingiu não entender, que a placa dada a ele pelo músico foi simbólica, em nome de todos os participantes, e não por causa da indicação ao paredão. Sempre calmo, João se transformou e deu uma bronca em Projota. Na minha visão, o professor perdeu pontos na função de "vingador".

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL