PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

Assim como Bolsonaro, Crivella elege a Globo como "inimiga"

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos) - Ricardo Moraes
O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos) Imagem: Ricardo Moraes
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

06/09/2020 06h01

Uma reportagem exibida pela Globo na segunda-feira (31) mostrou que funcionários da Prefeitura do Rio têm agido de forma coordenada para atrapalhar o trabalho de repórteres da emissora.

Os servidores agem gritando palavras ofensivas durante entrevistas ou coagindo os entrevistados da emissora. As ações são combinadas e discutidas em três grupos de WhatsApp, um dos quais chamado "Guardiões do Crivella".

Após a publicação da reportagem, a Prefeitura não negou a existência dos grupos. Mas o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) disse que a função dos servidores diante dos hospitais é esclarecer a população contra informações supostamente falsas difundidas pela Globo.

"No dia 6 de janeiro de 2020, entreguei ao presidente Bolsonaro uma denúncia de gravíssimos fatos praticados no fim do ano passado pelas Organizações Globo, que atuam como verdadeiro partido político de oposição, que disseminavam falsamente o caos na saúde", disse o prefeito.

Na quinta-feira (3), a Câmara de Vereadores rejeitou um pedido de abertura de processo de impeachment contra o prefeito por 25 a 23 votos.

É interessante observar que Crivella, no cargo desde 2017, intensificou a partir de 2019 a estratégia de tratar a Globo como "inimiga" do seu governo. O período coincide com o do primeiro ano do mandato do presidente Bolsonaro (sem partido), que também vê a emissora carioca desta forma.

Ao longo de 2019, foram vários os ataques de Crivella à Globo. Em abril do ano passado, o prefeito acusou a emissora de "ser contra o Rio". Meses depois, em setembro, Crivella aproveitou uma reportagem mal-feita do telejornal "RJ 1" para acusar a emissora de "farsa". Em resposta, a Globo mostrou que o prefeito deturpou intencionalmente um vídeo para atacar a emissora.

Em dezembro, Crivella impediu a entrada no Palácio da Cidade de jornalistas do Grupo Globo em evento que anunciou socorro de R$ 152 milhões à saúde do município "Atitude autoritária e antidemocrática", classificou a emissora, com razão.

Em busca da reeleição, o prefeito do Rio talvez acredite que eleger a Globo como "inimiga" pode render votos. A ver em novembro.

Stycer recomenda

'Amor de Mãe' voltará com dois assassinatos e personagens com coronavírus

Globo incorpora canais Globosat ao vivo em novo serviço de streaming

Chef Jacquin ganha aumento e vai ter 3º programa na Band

À espera da "Dança dos Famosos", Faustão se vira nos VTs frios e antigos

Melhor da semana
Corajosa, Monica Iozzi revê seu papel ao "dar palanque" a Bolsonaro no CQC

Pior da semana
Danni Suzuki dá detalhes sobre a escolha absurda do elenco de Sol Nascente

Podcast
Polêmica de Danni Suzuki em 'Sol Nascente' expõe equívocos de escalação em novelas

Uma versão deste texto foi publicada originalmente na newsletter UOL Vê TV, que é enviada às quintas-feiras por e-mail. Para receber, gratuitamente, é só se cadastrar aqui.

Siga a coluna no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL