PUBLICIDADE
Topo

Selton Mello cobra presença de 'cosplays' de João Grilo e Chicó na CCXP

Selton Mello (Chicó) e Matheus Nachtergaele (João Grilo) em "O Auto da Compadecida" - Divulgação
Selton Mello (Chicó) e Matheus Nachtergaele (João Grilo) em "O Auto da Compadecida" Imagem: Divulgação
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

08/12/2019 16h10

O relançamento da minissérie "O Auto Compadecida" (1999) foi tema de um painel promovido pela Globo com a presença do ator Selton Mello e do diretor artístico Guel Arraes na CCXP neste domingo (08).

Vinte anos depois de sua estreia, ainda é a minissérie mais assistida na história da emissora. Para exibição em 20 de dezembro na Globoplay e em 7 de janeiro na TV aberta, "O Auto da Compadecida" passou por remasterização, recriação de alguns efeitos especiais e ganhou nova abertura.

Selton Mello  - Reprodução  - Reprodução
Selton Mello fala de O Auto da Compadecida na CCXP
Imagem: Reprodução
"Eu não dou um passo em qualquer lugar do Brasil sem que não venha alguém lembrar e falar comigo do Chicó", contou Selton, falando de um dos personagens principais (o outro é João Grilo, vivido por Matheus Nachtergaele). "Vamos inaugurar uma nova geração de fanáticos por Auto da Compadecida", disse.

Arraes falou da atualidade da série, lembrando que a obra de Ariano Suassuna presta muita atenção à realidade brasileira: "Olha para o povo brasileiro, um povo muito desassistido, mas esperto, safo, que consegue se divertir e se virar", disse. "É um painel popular do Brasil muito forte".

Cercado por fãs fantasiados com roupas de super-heróis, Selton Mello cobrou: "Eu quero saber se tem cosplay aqui de João Grilo e Chicó". Não havia ninguém, apenas um rapaz segurando um cartaz com menção à série. "Porque gente valoriza muito pouco a cultura brasileira", lamentou o ator.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL