PUBLICIDADE
Topo

Leandro Carneiro

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Globo demite cinegrafista da Olimpíada após denúncia de assédio; ele nega

Mikael Fox estava havia 16 anos na Globo - Reprodução/Linkedin
Mikael Fox estava havia 16 anos na Globo Imagem: Reprodução/Linkedin
Conteúdo exclusivo para assinantes
Leandro Carneiro

Editor de Splash, viciado por qualquer tipo de reality show, inclusive aqueles que os famosos vivem na vida real. Jornalista há mais de 10 anos e palpiteiro desde sempre. Se o assunto for esporte entro em campo também.

Colunista do UOL

19/07/2021 16h45

A Globo confirmou a demissão do repórter cinematográfico Mikael Fox. Ele era um dos profissionais que havia viajado a Tóquio para a cobertura da Olimpíada, que começa nesta semana, e teve o retorno para o Brasil antecipado.

"Confirmamos que o repórter cinematográfico Mikael Fox não faz mais parte do time de esporte da empresa", afirmou a Globo, em nota.

Segundo apurou o UOL, Mikael Fox foi acusado de assédio por profissionais da Globo que também estão no Japão. Ele teria passado a mão no corpo de duas produtoras da emissora há dez dias e, após a denúncia, foi desligado da equipe.

A Globo não confirma que a demissão tenha relação com o caso de assédio e informou que não comenta assuntos que envolvem o compliance —regras internas que definem, entre outras coisas, o comportamento apropriado para funcionários.

"[...] A Globo não comenta assuntos de Ouvidoria, mas reafirma que todo relato de assédio, moral ou sexual, é apurado criteriosamente assim que a empresa toma conhecimento. A Globo não tolera comportamentos abusivos em suas equipes", finalizou o canal.

Em conversa com o UOL, Mikael afirmou que foi desligado da emissora acusado de importunação após essas denúncias. Negou, no entanto, as acusações contra ele e disse estar sendo vítima de uma injustiça.

"O contato que teve foi tocar no ombro, coisa que normalmente acontece. Uma das produtoras eu conheço há anos, já fiz viagem de ficar um mês. Não teria capacidade ou coragem de assediar qualquer colega, não sei se fui mal-interpretado. Não teve nada de assédio de qualquer tipo."