PUBLICIDADE
Topo

Leandro Carneiro

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Será o destino de Tiago Leifert substituir os insubstituíveis na Globo?

Tiago Leifert está há cinco temporadas no BBB - Globo/João Cotta
Tiago Leifert está há cinco temporadas no BBB Imagem: Globo/João Cotta
Leandro Carneiro

Editor de Splash, viciado por qualquer tipo de reality show, inclusive aqueles que os famosos vivem na vida real. Jornalista há mais de 10 anos e palpiteiro desde sempre. Se o assunto for esporte entro em campo também.

Colunista do UOL

11/06/2021 15h28

Faustão não se tornou Faustão da noite para o dia. E a tarefa de substituí-lo neste domingo não deve ser nada fácil para Tiago Leifert —escalado pela Globo para ocupar a vaga enquanto Fausto Silva estiver no hospital, recuperando-se de uma infecção urinária.

A missão pode parecer quase impossível, mas Leifert já enfrentou outra igualmente difícil quando foi escolhido para entrar no lugar de Pedro Bial no comando do "BBB".

Foram 16 edições com Bial no reality show. Depois de um começo ruim, muito travado com Marisa Orth, pegou o ritmo da coisa e tornou o programa um sucesso. Faustão e domingo são quase sinônimos depois de 33 anos de muito "Arquivo Confidencial", "Dança dos Famosos", "Cassetadas", entre outros quadros.

No currículo de Leifert, constam programas dos mais diversos modelos. Ele foi responsável por revolucionar o "Globo Esporte", goste você ou não do que ele fazia. Mandou muito bem no "Central da Copa", uma atração com horário um tanto quanto ingrato na grade de programação. Também coube ao apresentador comandar algumas atrações que não caíram no gosto popular, caso do "Zero 1" (natural, até por ser uma atração nichada, para os gamers) e o "É de Casa".

Mas quem nunca errou tentando buscar o melhor?

Desde que saiu a notícia de que Faustão deixaria a Globo, muito se especulou sobre o "Domingão" da emissora. Ivete Sangalo? Luciano Huck? Marcos Mion? Fábio Porchat? Nomes ventilados não faltaram. E o primeiro grande teste vem agora.

Tiago Leifert tem em sua bagagem e maturidade, mas também precisará de um tempo para cair no gosto do público. Com 41 anos, ele, provavelmente, vive agora a mesma sensação de quando recebeu o convite para assumir o "BBB". "Quanto fui convidado, fiquei louco e muito feliz. Tomei um megasusto", disse à revista "Glamour".

A cobrança e a expectativa eram —como são agora também— grandes demais. Até seu pai, Gilberto Leifert, que é diretor da Globo, chegou a falar sobre a situação. Para ele, Tiago teria de comandar o "BBB" por muitos anos antes de substituir Bial de fato. Segundo ele, não dava para comparar o trabalho de ambos, logo de cara.

E foi o que aconteceu. Foram muitas críticas até a edição deste ano quando o público se rendeu. Parte da crítica, apesar do começo duro neste ano, também se rendeu e reconheceu. Foi elogiado por discursos e até broncas nos participantes.

Se Tiago vai dar conta do recado é difícil responder. É preciso, sem dúvidas, alinhar expectativa x realidade. Mas, ainda que seja um teste e que seja por um período breve, é fato que ele pode trazer novos ares para a Globo, apontar um caminho para o que a emissora terá de encarar a partir do próximo ano. Revelar um cenário novo a quem está acostumado com o antigo. Substituir o que parece, agora, insubstituível.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL