Topo

Esporte


Meia venezuelano prega respeito à Argentina: "Uma das candidatas ao título"

24/06/2019 19h32

Rio de Janeiro, 24 jun (EFE).- Apesar da campanha errática da Argentina na fase de grupos, com uma vitória, um empate e uma derrota, e da vitória sobre Lionel Messi e companhia em amistoso disputado em março, o meia venezuelano Juanpi Añor pregou respeito à bicampeã mundial, adversária da 'Vinotinto' nas quartas de final da Copa América.

"Não deveríamos pensar nisso (amistoso), mas continuar pensando que a Argentina é uma das melhores seleções, uma das candidatas ao título, e encarar este jogo com seriedade máxima, como fizemos nesse amistoso", declarou o jogador do Málaga em entrevista coletiva nesta segunda-feira, no Rio de Janeiro.

No dia 22 de março, Lionel Messi fez a primeira partida pela seleção argentina desde a Copa do Mundo do ano passado enfrentando a Venezuela no estádio Wanda Metropolitano, em Madri. A 'Albiceleste' perdeu por 3 a 1. Apesar de respeitar a adversária, Juanpi se disse esperançoso com o momento vivido pela equipe dirigida por Rafael Dudamel.

"Chegamos sobretudo em um estado de ânimo muito bom, o que é muito importante. Foram três partidas muito diferentes, mas bastante boas. Mostramos uma solidez defensiva muito boa, sofrendo somente um gol. Temos que pensar em continuar fortalecendo esse tipo de coisas para este jogo de sexta-feira contra a Argentina".

O meia de 25 anos, que na temporada recém-encerrada defendeu o Huesca emprestado pelo Málaga, considera que a 'Vinotinto' evoluiu a ponto de estar preparada para grandes jogos.

"Em todas as partidas toca esse ponto de saber sofrer, de saber entender a partida e que é preciso se proteger e sofrer, como foi no jogo contra o Brasil (empate em 0 a 0). Estamos acostumados, e é uma das nossas forças", destacou Juanpi, que almeja estar na final ou ao menos na disputa pelo terceiro lugar.

"Dissemos desde o começo que viemos aqui para disputar seis jogos, e já jogamos três. Estamos num bom caminho e é isso que queremos", afirmou.

Por fim, o meia disse que obter um bom resultado na Copa América pode levar um pouco de ânimo para a população da Venezuela em tempos de crise.

"A cada vitória nossa e a cada jogo nós pensamos no povo da Venezuela, das pessoas que torcem por nós. Em um momento tão difícil pelo qual estão passando, pelo que estamos passando, é emocionante ver como eles nos apoiam e queremos que continuem assim", encerrou. EFE

Mais Esporte