PUBLICIDADE
Topo

Brasileirão - 2021

Juventude e São Paulo empatam em jogo truncado e com interferência do VAR

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

29/08/2021 17h56

Classificação e Jogos

Em um jogo truncado no Alfredo Jaconi, hoje (29), Juventude e São Paulo ficaram no empate por 1 a 1. A equipe paulista contou com a eficiência de Reinaldo nas cobranças de pênaltis para abrir o placar, enquanto os gaúchos responderam rapidamente com Ricardo Bueno, nos minutos finais do duelo.

O resultado aconteceu depois de uma polêmica com a arbitragem. Antes da penalidade em Igor Gomes, uma outra infração levou cinco minutos para ser analisada pelo VAR. No lance, Guilherme Castilho bloqueou com o braço o chute de Rodrigo Nestor. O árbitro de vídeo, contudo, viu impedimento de Éder no início do lance.

O resultado muda pouco a vida das duas equipes na tabela do Brasileirão. O São Paulo permanece na 12ª colocação com 22 pontos. Com um a menos está o Juventude, na 13ª posição.

O São Paulo agora terá uma longa pausa até o próximo jogo. Como o duelo contra o América-MG foi adiado e ainda não tem data para acontecer, o próximo compromisso do time paulista será contra o Fluminense, no dia 12 de setembro. Já o Juventude volta a campo no próximo dia 7, quando visita o Corinthians, na Neo Química Arena.

Jogadores - Luca Erbes/Estadão Conteúdo - Luca Erbes/Estadão Conteúdo
Jogadores de Juventude e São Paulo disputam jogada em partida pelo Brasileirão
Imagem: Luca Erbes/Estadão Conteúdo

O melhor: Ricardo Bueno

A experiência do atacante de 34 anos fez a diferença no Alfredo Jaconi. Em sua terceira partida com a camisa do Juventude, Ricardo Bueno incomodou a defesa são-paulina e foi o responsável pelo gol de empate do time gaúcho.

O pior: Rodrigo Nestor

Escalado no lugar do suspenso Liziero, o meia teve dificuldades ao lado de Benítez para fazer a ligação da defesa com o ataque são-paulino. Ele acabou substituído no segundo tempo por Igor Gomes, responsável por sofrer o pênalti que gerou o gol paulista.

Juventude espelha o São Paulo e cria as melhores chances

O técnico Marquinhos Santos mandou a campo um Juventude com três zagueiros, em uma formação semelhante à do São Paulo. A ideia surtiu efeito desde o início, com o time paulista apresentando muitas dificuldades para se livrar da marcação da equipe gaúcha, principalmente no meio de campo.

Ofensivamente, o Juventude foi quem mais assustou no início do jogo. Em dois minutos foram duas oportunidades. A primeira, aos 7min, aconteceu após boa troca de passes. Michel Macedo foi lançado pela direita e bateu cruzado para a defesa de Tiago Volpi.

No minuto seguinte, Matheus Jesus arriscou de fora da área e a bola passou muito próxima do ângulo direito de Tiago Volpi, que apenas torceu para que o gol não saísse.

Rigoni tem a primeira chance do São Paulo

Além da marcação forte do Juventude, o meio de campo do São Paulo sem Liziero, suspenso, apresentava dificuldades na transição. Rodrigo Nestor e Martín Benítez sofriam para conectarem a defesa com o ataque de maneira rápida. A primeira grande chance do São Paulo foi acontecer apenas aos 31 minutos da primeira etapa, graças a Luan.

O volante tocou em profundidade para Rigoni. O argentino avançou pela esquerda e chutou para a defesa de Marcelo Carné.

Ricardo Bueno incomoda no primeiro tempo

O lado direito da marcação são-paulina apresentava certa dificuldade para marcar Ricardo Bueno no primeiro tempo. O atacante do Juventude sofreu oito das 12 faltas cometidas pelo São Paulo na etapa inicial. As constantes infrações resultaram no cartão amarelo dado a Léo.

São Paulo volta melhor, e Juventude muda esquema

Mesmo sem mudar jogadores, o São Paulo começou mais incisivo o segundo tempo. Os passes rápidos dificultavam a marcação do Juventude. A solução encontrada por Marquinhos Santos foi de desfazer o esquema com três zagueiros. O treinador tirou Quintero e colocou o atacante Capixaba. Mesmo com a mudança, o Juventude seguiu com dificuldades de encaixar a marcação.

Impedimento salva o Juventude

O grande lance de polêmica da partida aconteceu aos 18 minutos do segundo tempo. Éder foi lançado pela direita e tocou para Benítez, que virou o jogo para Rodrigo Nestor. O camisa 25 chutou e a bola bateu no braço de Guilherme Castilho, gerando uma reclamação de pênalti pelo lado são-paulino.

Durante um intervalo de cinco minutos, o árbitro Antonio Dib Moraes de Sousa, que havia marcado escanteio, foi chamado pela equipe do VAR para rever o lance no monitor. A arbitragem concluiu que Éder estava impedido no momento do lançamento, anulando toda a jogada posterior.

Agora foi pênalti

Aos 32 minutos, uma nova polêmica paralisou o duelo. Igor Gomes foi lançado dentro da área, tentou driblar o goleiro Marcelo Carné e acabou derrubado. O árbitro Antonio Dib Moraes de Sousa assinalou o pênalti em campo, gerando reclamação dos jogadores do Juventude.

Depois de alguns minutos de checagem, o pênalti foi confirmado. Reinaldo foi para a cobrança e abriu o placar para o São Paulo.

Juventude responde rápido

O Juventude buscou o empate da maneira que mais tem assustado o São Paulo na temporada: a bola parada. Depois de uma falta cobrada pelos gaúchos aos 45 minutos do segundo tempo, a bola ficou com Ricardo Bueno, que chutou para balançar as redes do São Paulo.

FICHA TÉCNICA
JUVENTUDE 1 X 1 SÃO PAULO

Motivo: 18ª rodada do Brasileirão
Data e hora: 29 de agosto de 2021, às 16h (de Brasília)
Local: Estádio Alfredo Jaconi (RS)
Árbitro: Antonio Dib Moraes de Sousa (PI)
Auxiliares: Rogério de Oliveira Braga e Márcio Iglésias Araújo Silva (ambos PI)
VAR: Caio Max Augusto Vieira (RN)
Gols: Ricardo Bueno (45'/2ºT), para o Juventude; Reinaldo (39'/2ºT), para o São Paulo
Cartões amarelos: Ricardo Bueno e William Matheus, pelo Juventude; Léo, Luan, Luciano, Igor Vinícius e Miranda, pelo São Paulo
Cartões vermelhos: -

JUVENTUDE: Carné; Michel Macedo, Vitor Mendes (Didi), Quintero (Capixaba), Forster, William Matheus; Castilho, Matheus Jesus (Roberson), Wagner (Chico); Ricardo Bueno e Sorriso (Bruninho). Técnico: Marquinhos Santos.

SÃO PAULO: Volpi; Bruno Alves, Miranda, Léo; Igor Vinicius, Luan, Rodrigo Nestor (Igor Gomes), Benítez (Gabriel Sara), Reinaldo; Rigoni (Juan) e Luciano (Eder). Técnico: Hernán Crespo.