PUBLICIDADE
Topo

UOL Esporte

Dividida

Mauro Cezar Pereira entrevista personagens de destaque do universo esportivo


Já havia brigas ligadas ao futebol antes das organizadas, diz especialista

Do UOL, em São Paulo

22/07/2021 15h18

A temática das torcidas organizadas no Brasil muitas vezes é cercada de polêmicas em relação à violência de integrantes dos grupos uniformizados e foi abordada pelo sociólogo Bernardo Buarque de Hollanda, professor e pesquisador da Escola de Ciências Sociais da Fundação Getúlio Vargas (FGV-CPDOC), além de autor de vários livros sobre torcidas organizadas, que foi o entrevistado de Mauro Cezar Pereira no programa Dividida, no Canal UOL.

O especialista explicou as origens das torcidas organizadas, afirma que já existiam as brigas relacionadas aos jogos de futebol e que no período de criação dos grupos de torcedores uniformizados, eles eram vistos como se pudessem ajudar a evitar as brigas, em um período no qual não havia divisão nos estádios entre os apoiadores de times que estavam se enfrentando.

"Esse é um tema também que ainda é bastante envolto em controvérsias e eu acredito que a dimensão histórica ajuda a gente a perceber como isso assiste a uma dinâmica específica, em que a gente pode compreender melhor à luz do tempo. Então, um aspecto que é importante assinalar é que sempre teve brigas relacionadas às partidas, aos jogos, mesmo no período amador, mesmo no período em que não havia torcidas organizadas", afirma Buarque.

"Inclusive, o surgimento das torcidas organizadas foi visto como elemento inibidor das brigas nos estádios, até porque quando não havia a divisão entre torcidas nos estádios, justamente muitas brigas ali individuais, de pessoa a pessoa, a partir de uma provocação, de um insulto, aconteciam justamente porque os públicos eram mesclados e isso começa a ser mais delimitado com a criação das torcidas uniformizadas e a figura do chefe de torcida era vista como uma figura que contribuiu para conter, inibir e tentar minimizar esses problemas", completa.

O sociólogo afirma que o crescimento das torcidas nos anos 1970 e 1980 tornou mais difícil o controle, assim como o acirramento das rivalidades entre os torcedores de diferentes clubes, o que levou a um patamar maior e mais complicado em relação às brigas.

"Na virada dos anos 1960 para os anos 1970 e os anos 1980, a gente começa a ver aí uma certa espiral e a autonomização dessa violência. Enfim, essa ação de rivalidade e aí uma rivalidade que parte dessa gozação, dessa provocação, esse limiar entre uma rivalidade positiva e uma negativa e aí, pouco a pouco, as torcidas que tinham esse elemento de contenção da violência das massas, elas começam também a canalizar justamente porque ela tem esse elemento grupal", diz Buarque.

"Também porque elas começam, como a gente mencionou, a crescer quantitativamente muito nesse momento. E aí essa dimensão de grupo, essa ideia de que um grupo se sente forte quando ele está ali constituído como coletivo passa a autonomizar essas brigas, ou seja, o que era visto em função do jogo, em função de uma partida, começa a ter uma vida própria nessa dinâmica de enfrentamento", conclui.

O Dividida vai ao ar às quintas-feiras, às 14h, sempre com transmissão em vídeo pela home do UOL e no canal do UOL Esporte no Youtube. Você também pode ouvir o Dividida no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e Amazon Music.


Um universo de conteúdo para assistir do seu jeito.

O Conto de Aia
Flack
Acende a Luz
De Férias com o Ex - Brasil
Schitts Creek
The Office
Patrulha Canina
Inimigos da HP