PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Brasileiro de duas Copas que nunca voltou vira braço de Jesus no Benfica

Zagueiro brasileiro Luisão em ação com a camisa do Benfica em 2017 - Gualter Fatia/Getty Images
Zagueiro brasileiro Luisão em ação com a camisa do Benfica em 2017 Imagem: Gualter Fatia/Getty Images

Beatriz Cesarini

Do UOL, em São Paulo

04/08/2020 04h00

Jorge Jesus chegou ao Benfica e já encontrou um reforço de peso: Anderson Luís da Silva, o Luisão. Ídolo do time português com uma história de 15 anos, o brasileiro será assessor do comandante e estará presente na rotina da equipe. O zagueiro aposentado não foi escolhido à toa para ser o homem de confiança do treinador — ambos já trabalharam juntos por seis temporadas no clube de Lisboa.

Luisão saiu cedo de seu país natal e, por esse motivo, as principais lembranças dos torcedores brasileiros com o ex-zagueiro são com a seleção brasileira. O paulista estreou com a 'canarinha' em 2001 e conquistou seu primeiro título em 2004, na Copa América, com direito, também, ao seu primeiro gol pela equipe nacional. No ano seguinte, participou do grupo que ergueu a taça da Copa das Confederações.

A regularidade e solidez na zaga do Benfica renderam mais convocações à seleção brasileira. Foi desta maneira que, em 2006, Luisão foi para a Copa do Mundo da Alemanha e, em 2010, defendeu novamente o Brasil no Mundial da África do Sul.

Mas como foi o início de Luisão no Brasil? Aos 18 anos, em 1999, o jogador embarcou no mundo profissional do futebol defendendo as cores do Juventus. No ano seguinte, chegou ao Cruzeiro e fez história como zagueiro ao se sagrar vice-artilheiro da equipe em 2002 e conquistar títulos memoráveis, como o Brasileirão de 2003 e Copas do Brasil de 2000 e 2003.

Multicampeão com o Cruzeiro, convocado para a seleção e assediado no mercado, Luisão escolheu o Benfica para construir a sua carreira em uma fase em que o clube vinha desacreditado. Como os cartolas de Portugal costumam dizer, acabou virando "o único sobrevivente de seu caos".

O começo no Benfica não foi fácil. Luisão sofreu com os problemas físicos e, em diversos momentos, por exigência do então técnico José Antonio Camacho, teve de entrar em campo sem estar recuperado. A pressão que vinha da imprensa e dos torcedores crescia e, em determinada altura, fez o ex-zagueiro do Cruzeiro cogitar a volta ao Brasil. Tudo mudou após uma conversa informal com o psicólogo Pedro Almeida.

Luisão decidiu ficar Europa e realmente nunca mais voltou ao Brasil. Foram 19 anos como jogador profissional, sendo 15 deles defendendo as cores do Benfica. Na equipe portuguesa, o paulista, nascido em Amparo (SP), conquistou 20 títulos e se tornou o maior vencedor da equipe. Ele disputou 538 jogos pelo Benfica, sendo 414 como capitão.

E tem mais marcas históricas por aí. O ex-zagueiro foi responsável por 47 gritos de gol de torcedores do clube de Lisboa e foi o segundo que mais vestiu a camisa do time. Não foi por falta de motivos que o brasileiro decidiu pendurar as chuteiras com o Benfica, aos 37 anos. O dia 25 de setembro de 2018 ficou marcado por homenagens a Luisão em uma bela cerimônia de despedida no estádio da Luz.

Agora, a história de amor entre Luisão e Benfica ganha um novo capítulo. Após seis temporadas (2009 a 2015) trabalhando juntos, Jorge Jesus e Luisão voltam a atuar unidos, como treinador e assessor, em busca de mais títulos para a equipe do coração.

Futebol