Topo

Fórmula 1


Pilotos usam boné vermelho e homenageiam Niki Lauda em Mônaco

Homenagem a Niki Lauda no GP de Mônaco, com pilotos reunidos para um minuto de silêncio - Andrej Isakovic/AFP
Homenagem a Niki Lauda no GP de Mônaco, com pilotos reunidos para um minuto de silêncio Imagem: Andrej Isakovic/AFP

Do UOL, em São Paulo

26/05/2019 10h26

Os 20 pilotos que disputam o Grande Prêmio de Mônaco, sexta etapa do campeonato mundial de Fórmula 1, se reuniram antes do início da prova no circuito de Monte Carlo para homenagear o tricampeão Niki Lauda, que morreu na última segunda-feira. O icônico capacete vermelho do austríaco foi colocado em um totem, e os competidores fizeram uma roda para respeitar um minuto de silêncio. Além disso, todos também usavam bonés da cor vermelha, uma marca da época em que Lauda trabalhou nos bastidores da F-1.

O sábado de treinos também havia sido de homenagens ao austríaco. A Mercedes de Valtteri Bottas levou a mensagem "Niki, nós sentimos a sua falta", no halo; enquanto Sebastian Vettel correu com o nome de Niki Lauda gravado em seu capacete. Muitos fãs também se lembraram de Lauda, e aplaudiram quando a F1 colocou uma foto do ex-piloto em um banner no autódromo.

Pentacampeão Lewis Hamilton homenageia Niki Lauda - Benoit Tessier/Reuters
Pentacampeão Lewis Hamilton homenageia Niki Lauda
Imagem: Benoit Tessier/Reuters

Niki Lauda foi tricampeão da Fórmula 1, conquistando dois títulos pela Ferrari, em 1975 e 1977, e um pela McLaren, em 1984. Lauda também era presidente do Conselho de Supervisão da equipe da Mercedes na Fórmula 1 desde setembro de 2012.

Lauda tinha se submetido a um transplante de pulmão há oito meses e ficou um longo período no hospital. Em janeiro deste ano, o ex-piloto voltou a ser internado por uma gripe contraída ainda no Natal que passou em Ibiza, na Espanha, onde tinha uma segunda casa. O ex-piloto já havia passado por dois transplantes de rim, um em 1997 e outro em 2015, e vinha fazendo hemodiálise nos últimos meses.

O ex-piloto também ficou marcado pelo grave acidente que sofreu no GP da Alemanha, em Nurburgring, em 1976. Na ocasião, a Ferrari que era conduzida por Lauda pegou fogo e o ex-piloto sofreu graves queimaduras, além de inalar gases tóxicos com elevada temperatura, que causaram problemas em seu pulmão. Posteriormente, Lauda se recuperou e voltou a competir ainda na mesma temporada.

Lauda é, até hoje, o único a ter conquistado o título da Fórmula 1 competindo pela Ferrari e pela McLaren. O austríaco ainda é apontado por muitos especialistas e fãs do esporte como um dos maiores pilotos da história da modalidade. Ao todo, ele participou de 177 corridas, tendo conquistado 25 vitórias, 24 pole positions e 54 aparições no pódio.