PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

Confusão na Toro Rosso pode dar rara terceira chance a Kvyat

Daniil Kvyat, da Red Bull - Dan Istitene/Getty Images
Daniil Kvyat, da Red Bull Imagem: Dan Istitene/Getty Images

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Austin (EUA)

20/10/2017 12h39

O russo Daniil Kvyat vive uma situação pouco comum na Fórmula 1: o piloto foi rebaixado da Red Bull para a Toro Rosso em 2016, e depois do GP de Cingapura deste ano, se viu afastado novamente, ficando sem vaga no grid. Porém, com a ida de seu ex-companheiro Carlos Sainz para a Renault, no lugar de Jolyon Palmer, Kvyat está de volta ao grid neste final de semana em Austin. E tem grandes chances de ganhar uma rara terceira chance na categoria.

Isso porque a Toro Rosso não tem grandes opções dentro do programa de desenvolvimento de pilotos da Red Bull. Um dos pilotos do time em 2018 será Pierre Gasly, que estreou no lugar de Kvyat na Malásia, mas não corre neste final de semana porque vai disputar a final da Super Fórmula no Japão. O francês está sendo substituído por Brandon Hartley, que não corre com monopostos há seis anos e foi chamado de última hora. E provavelmente o outro será Kvyat.

De fora nas últimas duas etapas, o russo disse que só teve uma certeza: quer mesmo é ser piloto.

“Não fez eu querer me tornar um jornalista, isso é certeza”, brincou Kvyat, ouvido pelo UOL Esporte em Austin. “Não fiquei vendo muito, só vi os melhores momentos e acompanhei os tempos de volta. Usei esse tempo fora para recarregar as baterias, porque não é sempre que você tem essa oportunidade. Agora estou de volta e vou tentar fazer as coisas funcionarem novamente.”

O piloto esclareceu que ainda tem um contrato por mais dois anos com a Red Bull, mas não sabe nem mesmo se vai continuar correndo pela equipe até o final desta temporada, uma vez que, mesmo com o retorno de Gasly no México, a Toro Rosso ainda precisa preencher a segunda vaga.

“Não há nenhum drama. Vou conversar com as portas fechadas com a Red Bull e veremos o que vamos fazer. Tenho um contrato de dois anos com eles, mas preciso de alguns esclarecimentos a respeito do que eles esperam de mim. Mas eles não me falaram nada do que querem para as próximas corridas. Meu trabalho é aproveitar essa chance da melhor forma possível e depois discutir como podemos seguir adiante”, afirmou.

“Foi uma temporada com altos e baixos e eu cometi erros também. E às vezes no meio do pelotão às vezes é difícil ter consistência mas temos de enfrentar isso e estou confiante de que minha velocidade não sumiu.”

A substituição dupla da Toro Rosso gerou situações curiosas: como retornou no lugar de Sainz, Kvyat terá os engenheiros que trabalhavam com o espanhol, e não os seus, e também usará a alocação de motores que estava no carro de seu ex-companheiro.

Fórmula 1