Topo

Carros


Carros

Carlos Ghosn ficará preso por mais 10 dias, define tribunal japonês

Carlos Ghosn deixa escritório dos advogados no dia anterior à nova prisão - Kyodo/via REUTERS
Carlos Ghosn deixa escritório dos advogados no dia anterior à nova prisão
Imagem: Kyodo/via REUTERS

MAKI SHIRAKI, NAOMI TAJITSU

Em Tóquio (Japão)

05/04/2019 11h33

Um tribunal de Tóquio aprovou na sexta-feira um pedido dos promotores para deter Carlos Ghosn por mais 10 dias para novos interrogatórios. Um apelo do advogado do ex-chefe da Nissan foi negado.

O Tribunal Distrital de Tóquio disse que aprovou o pedido dos promotores para deter Ghosn até 14 de abril. A decisão foi amplamente esperada depois que os promotores prenderam Ghosn pela quarta vez em seu apartamento em Tóquio na quinta-feira.

O advogado de Ghosn, Junichiro Hironaka, disse a repórteres que a equipe de defesa entraria com um recurso na sexta-feira contra a detenção, mas o recurso foi posteriormente negado.

Os promotores prenderam Ghosn por suspeita de que o ex-chefe da Nissan e da Renault tentou enriquecer a quantia de US$ 5 milhões às custas da Nissan.

Em um comunicado divulgado na quinta-feira, Ghosn disse que ele era inocente das "acusações e acusações infundadas" contra ele. O ex-executivo, que já disse que é vítima de um golpe na diretoria, também chamou a mais recente detenção de uma tentativa de silenciá-lo.

O escândalo Ghosn abalou a indústria automobilística global e estreitou os laços entre a Nissan e sua parceira global de aliança, a Renault.

Também deu uma luz dura sobre o sistema judicial do Japão.

A prisão de quinta-feira aconteceu 30 dias depois que Ghosn foi libertado de uma fiança de US$ 9 milhões de um centro de detenção de Tóquio. Especialistas legais caracterizaram a mudança como algo raro para alguém que já foi libertado sob fiança.

Segundo a lei japonesa, os promotores podem solicitar a prorrogação de mais 10 dias de detenção antes de apresentar acusações formais contra o suspeito ou deixá-lo ir.

Mais Carros