Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Covid-19: Ana Paula Henkel distorce informações sobre mortes por vacina

Ana Paula Henkel fez afirmação durante programa da Jovem Pan Imagem: Reprodução/Youtube

Luiza Vidal

Do VivaBem, em São Paulo

03/03/2021 17h29

A ex-jogadora de vôlei Ana Paula Henkel disse, em um programa da Jovem Pan de fevereiro, que as vacinas contra covid-19 aplicadas nos Estados Unidos já causaram a morte de 501 pessoas e mais de 11 mil reações adversas. Entretanto, a informação foi distorcida pela comentarista. Isso porque os dados são de uma plataforma na qual qualquer pessoa pode incluí-los e, neste caso, ainda sem investigação por parte dos órgãos responsáveis. Por isso, os números não podem ser creditados à vacinação de forma oficial.

A fonte que Ana Paula utilizou é do site do VAERS (Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas, na tradução), do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), agência do departamento de saúde dos EUA. A plataforma, de fato, reportou 501 mortes e 11.249 eventos adversos por conta das vacinas, no final de janeiro, mas ainda não houve nenhuma verificação do CDC.

"Os dados do VAERS não podem ser usados para determinar as taxas de eventos adversos", diz o site, na área de perguntas e respostas. O CDC também explica que a plataforma tem o objetivo de detectar possíveis problemas de segurança que podem estar relacionados à vacinação: "Se um sinal de segurança da vacina for identificado por meio do VAERS, os cientistas podem conduzir estudos adicionais para descobrir se o sinal representa um risco real."

Imagem: Reprodução/Youtube

Não há casos de mortes no Brasil, afirma Anvisa

Ana Paula também citou que o Brasil vive uma "roleta-russa" por conta da aplicação das vacinas — atualmente, a CoronaVac e a da AstraZeneca/Oxford estão em uso. Mas a afirmação também não faz sentido porque, até o momento, não há qualquer registro que relacione as vacinas com eventos adversos graves ou mortes no país, conforme esclareceu a Anvisa.

Em nota divulgada nesta terça-feira (2), a agência informou que não há nenhum caso de óbito conhecido que tenha relação estabelecida com o uso das vacinas para covid-19 autorizadas no país. "As vacinas em uso no país são consideradas seguras. Não houve alteração na relação de risco e benefício deste produto. Já é esperado que pessoas venham a óbito por outros motivos de saúde e mesmo por causas naturais, tendo em vista a taxa de mortalidade já conhecida para cada faixa etária da população brasileira."

A Anvisa também esclareceu que as notificações sobre vacinas e medicamentos são enviadas para eles, principalmente por profissionais e serviços de saúde, além dos próprios fabricantes que são obrigados a comunicar os eventos suspeitos e que possam ser graves. Estes dados são utilizados como subsídio para o seu processo de monitoramento.

Vacinas são seguras

Você pode confiar nas vacinas, pois elas são seguras, eficazes, reduzem a chance do surgimento de novas mutações, além de fundamentais para controlar a pandemia. O foco da vacinação é evitar que mais pessoas adoeçam, necessitem de internação e morram. Além disso, é um ato coletivo e não individual. Ao se vacinar, você também protege as pessoas ao seu redor, principalmente as que não podem receber a imunização.

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Covid-19: Ana Paula Henkel distorce informações sobre mortes por vacina - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL

Saúde