Topo

Ártico derrete 13% por década, e Polo Norte pode não ter mais gelo no verão

7.ago.2018 - Vista do Oceano Ártico de um DC-3 especialmente equipado na Estação Nord, um posto militar e científico dinamarquês na Groenlândia - Esther Horvath/NYT
7.ago.2018 - Vista do Oceano Ártico de um DC-3 especialmente equipado na Estação Nord, um posto militar e científico dinamarquês na Groenlândia Imagem: Esther Horvath/NYT

Henry Fountain

18/11/2018 04h01

Nos últimos 40 anos, graças às medições por satélites, cientistas descobriram uma diminuição gradual na cobertura de gelo do mar do Ártico. O aquecimento global tem reduzido em aproximadamente 13% por década a extensão do gelo na região, durante o verão – período em que normalmente os níveis já são mais baixos. Com isso, alguns pesquisadores preveem que, a partir da metade do século, o Ártico corre o risco de não ter mais gelo durante os verões.

A extensão do gelo é só uma parte da história. Os cientistas querem descobrir também a espessura, pois associada à extensão, mostra o volume total de gelo presente no Ártico.

O problema é que a espessura também vem diminuindo drasticamente já que, ao derreter o gelo plurianual, camada mais grossa, deixa ainda mais fina a camada de gelo de primeiro ano. Além disso, ventos e correntezas podem empurrar gelos mais antigos para fora do Ártico.

Medir a espessura de gelo marítimo é mais complicado do que determinar a extensão. Existe um satélite europeu chamado Cryosat-2 que, por meio de um radar, consegue precisar a elevação e, por consequência, a espessura do gelo. Mas esse satélite trabalha melhor no inverno; no verão, quando o gelo está derretendo, tem dificuldade de distinguir o que é gelo e águas abertas. Um outro satélite, o ICESat-2, lançado pela NASA em setembro, possibilita dados ainda mais precisos sobre a espessura, porém, enfrenta limitações similares durante o verão.

Para preencher as lacunas, alguns governos e grupos civis têm conduzido expedições de medição no verão usando aeronaves. A última aconteceu em julho e agosto passados, liderada por pesquisadores do Instituto Alfred Wegener, baseado em Bremerhaven, na Alemanha.

2.abr.2018 - Pesquisador do Instituto Alfred Wegener coleta dados de radiação na Estação Nord, um posto militar e científico dinamarquês na Groenlândia. - Esther Hornath/NYT
2.abr.2018 - Pesquisador do Instituto Alfred Wegener coleta dados de radiação na Estação Nord, um posto militar e científico dinamarquês na Groenlândia.
Imagem: Esther Hornath/NYT

Pesquisadores operando a partir da Estação Nord, uma base militar e estação científica dinamarquesa localizada na Groenlândia, a 924 km ao norte do Círculo Polar Ártico, mediram a espessura do gelo no Oceano Ártico e no Estreito de Fram, que separa a Groenlândia do arquipélago norueguês de Svalbard.

Para determinar a espessura, o programa do Instituto Wegener, comandado por Thomas Krumpen, físico especializado em gelo marinho, utiliza um dispositivo eletromagnético, similar a um detector de metais, que mede a diferença de condutividade elétrica entre o gelo e a água do mar.

O instituto iniciou o uso desse tipo de detectores em 2002, primeiramente com os scanners presos a um trenó, escorregando pelo gelo, e, posteriormente, carregados por helicóptero. Mas em ambos os casos, a área a ser explorada era limitada.

Segundo Krumpen, para se obter medidas relevantes relativas ao gelo marinho, é preciso cobrir grandes distâncias.

Desde 2011, o EM-Bird, um projétil em forma de torpedo, tem conseguido dimensionar uma área maior com a ajuda de um avião, um DC-3 personalizado, que sobrevoa com o EM-Bird suspenso por um cabo a apenas 21 metros da superfície.

Os voos de baixa altitude exigem muito planejamento e boa visibilidade. Por isso, a equipe de Wegener – que nesse verão ganhou mais dois pilotos, um engenheiro, um mecânico e outro cientista, além de Krumpen – discute exaustivamente as condições climáticas.

"Para esse tipo de voo, é essencial ter informação confiável sobre a previsão do tempo, afinal, tudo se resume a encontrar o melhor lugar para executar a operação da forma mais segura possível", explica.

A equipe da Estação Nord é composta por seis soldados, que trabalham em esquema de rodízio pelo período de dois anos. Eles ficam isolados e sozinhos – exceto pela companhia de dois cachorros da patrulha de trenó – de outubro a março, quando os cientistas começam a chegar.

A equipe de gelo marítimo de Wegener também esteve no Ártico em março deste ano, juntamente com outros pesquisadores, estudando a poluição por carbono negro e outros assuntos relacionados.

Como em qualquer outra base militar, há regras e rituais a serem seguidos. Neste caso, é o encontro anual, em que fazem uma versão ártica de jogos medievais e jantam um porco assado, aos sábados, vestidos de camisa e gravata.

4.ago.2018 - Segunda edição do encontro anual, em que a equipe da Estação Nord faz uma versão ártica de jogos medievais e jantam um porco assado, aos sábados, vestidos de camisa e gravata - Esther Horvath/NYT
4.ago.2018 - Segunda edição do encontro anual, em que a equipe da Estação Nord faz uma versão ártica de jogos medievais e jantam um porco assado, aos sábados, vestidos de camisa e gravata
Imagem: Esther Horvath/NYT

As temperaturas altas na maior parte do Ártico durante esse verão não contribuíram para boas condições de voo. Ainda assim, em pouco mais de duas semanas, a equipe de Krumpen completou nove voos, incluindo um que chegou a 240 km do Polo Norte.

"Considerando o clima, eu até que estou bem feliz," ele disse.

Uma análise preliminar dos dados mostra que, apesar de a espessura do gelo variar consideravelmente de ano a ano, a tendência de redução continua. A espessura média do gelo natural encontrado nas áreas pesquisadas tem menos de um metro e meio, na metade dos anos 2000, estava acima de dois metros.

"Está muito abaixo do que era" lamenta Krumpen.

Mais Notícias