PUBLICIDADE
Topo

Morcegos "vampiros" adaptaram dieta para viver só de sangue

Reuters
Imagem: Reuters

Da AFP

25/02/2018 04h00

O "vampiro comum", um morcego de nome evocativo, desenvolveu suas próprias ferramentas para compensar o baixo valor nutricional do sangue e as muitas doenças que transporta, integrando assim a pequena família de mamíferos amantes de sangue, segundo um estudo publicado na última segunda-feira (19).

Os vampiros comuns têm um regime alimentar extremo, e nesse sentido precisam de muitas adaptações no organismo"

Quem explica é Tom Gilbert, da Universidade de Copenhague, co-autor do estudo.

Leia também

Com sua impressionante mandíbula, seus dois grandes dentes incisivos e gosto pelo sangue, o vampiro comum (Desmodus rotundus) construiu uma reputação um tanto assustadora.

Ainda mais porque se nutrir exclusivamente de hemoglobina é muito raro no reino animal. O sangue é pobre em nutrientes, em glicídios e em vitaminas. Além disso, transporta muitas doenças.

Apenas duas outras espécies de mamífero se contentam com esse tipo de dieta, ambas de morcegos: os "vampiros de patas peludas" e os "vampiros de asas brancas".

Para descobrir o que permite ao animal viver apenas de sangue, Marie Zepeda Mendoza, da Universidade de Copenhague, e seus colegas sequenciaram o genoma do animal e estudou os micro-organismos (bactérias, leveduras, fungos, vírus) que abriga.

Segundo o estudo publicado na Nature Ecology & Evolution, o genoma do vampiro compreende duas vezes mais variantes genéticas do que os demais morcegos, que consomem frutas, néctar ou insetos.

Uma descoberta que revela as muitas mudanças genéticas ligadas a esse modo de alimentação.

"A evolução certamente aconteceu de forma gradual. Os vampiros começando a comer insetos que se alimentam de sangue e depois atacando o próprio sangue", diz Tom Gilbert.

Os pesquisadores também estudaram as fezes dos vampiros, descobrindo a presença no corpo do animal de mais de 280 bactérias conhecidas por causar doenças em outros mamíferos.

Para o pesquisador, essa capacidade de viver apenas de sangue, uma abundante mercadoria para a qual existem poucos concorrentes, representa "uma grande vitória evolutiva".