PUBLICIDADE
Topo

ONU respalda protestos de jovens e exige ações contra mudança climática

15/03/2019 19h42

Nações Unidas, 15 mar (EFE).- O secretário-geral da ONU, António Guterres, elogiou nesta sexta-feira as dezenas de milhares de jovens que se mobilizaram hoje no mundo todo para exigir ações contra a mudança climática e pediu que os líderes internacionais tomem decisões urgentes para salvar o planeta.

"A minha geração fracassou na hora de responder adequadamente ao dramático desafio da mudança climática. Isto é notado por muitos dos jovens. Não me estranha que estejam zangados", afirmou Guterres em artigo de opinião publicado no jornal britânico "The Guardian".

Segundo o secretário-geral das Nações Unidas, os estudantes que saíram às ruas entendem algo que "parece escapar de muitos dos mais velhos: estamos em uma corrida pelas nossas vidas e estamos perdendo".

"Não temos o luxo do tempo e o atraso climático é quase tão perigoso quanto o negacionismo climático", advertiu.

Guterres, que convocou para o próximo mês de setembro uma cúpula de líderes mundiais sobre o clima, destacou que os protestos desta sexta-feira devem inspirar os chefes de Estado e de governo a tomar atitudes.

"A cúpula sobre o clima deve ser o ponto de partida para construir o futuro que necessitamos", ressaltou o diplomata, que lembrou que sem ações ambiciosas para implementar o Acordo de Paris esse convênio não servirá de nada.

Além disso, Guterres direcionou uma mensagem para os estudantes que temem pelo planeta: "Sei que os jovens podem e mudam o mundo".

"Muitos de vocês estão ansiosos e atemorizados pelo futuro e eu entendo suas preocupações e sua raiva, mas sei que a humanidade é capaz de grandes conquistas. As suas vozes me dão esperança", considerou.

Milhares de jovens estudantes marcharam nesta sexta-feira em várias cidades de todo o mundo para exigir dos políticos medidas urgentes e eficazes contra a mudança climática, convocados no marco do movimento Youth for Climate (Jovens pelo Clima, em português).

Trata-se de um movimento iniciado em agosto de 2018 pela jovem sueca Greta Thunberg, que decidiu manifestar-se diante do parlamento do seu país antes das eleições legislativas para exigir ações contra a mudança climática. EFE