PUBLICIDADE
Topo

Descoberta de novos fósseis na Bolívia traz evidência de que macacos vieram da África

Jorge González
Imagem: Jorge González

04/02/2015 17h06

Os macacos do Novo Mundo, cuja origem sempre foi um mistério, viveram na América do Sul muito tempo antes do que se pensava e podem ter tido ascendência africana, segundo um estudo divulgado nesta quarta-feira (4) pela revista "Nature".

"A primeira conclusão deste estudo é que os macacos do Novo Mundo viveram na América do Sul milhões de anos antes do que se pensava pelos registros fósseis encontrados até então", disse à Agência Efe Kenneth Campbell, paleontólogo do Museu de História Natural de Los Angeles (Estados Unidos).

Até o momento, os registros fósseis mais antigos dos macacos do Novo Mundo - 26 milhões de anos - haviam sido encontrados na região onde atualmente fica a Bolívia.

Nesta nova pesquisa, os cientistas encontraram dentes fósseis que aparentemente são 10 milhões de anos mais antigos e que pertencem a uma nova espécie de primatas pequenos, denominada Perupithecus Ucayaliensis.

"A segunda descoberta tem a ver com a forma de seus dentes, que são muito similares aos dos macacos africanos, o que indica uma possível ascendência da África", explicou Campbell.

Os novos exemplares descritos neste estudo têm "semelhanças surpreendentes" com os primatas africanos primitivos, o que sugere que esses símios da América do Sul tiveram sua origem na África.

De acordo com a pesquisa, os dentes encontrados não apresentam muitas semelhanças com os dos primatas sul-americanos (extintos ou não), mas com os africanos da época do período Eoceno (segunda época da era Cenozoica, entre cerca de 55 milhões de anos e 36 milhões de anos atrás).

O paleontólogo explicou as etapas do estudo.

"Primeiro achamos os novos fósseis, depois os identificamos como procedentes de macacos e mais tarde os comparamos com os registros fósseis já existentes e, por último, os interpretamos e descrevemos", afirmou.

Esses achados sugerem que o Perupithecus Ucayaliensis estava relacionado com os primatas africanos, mas os pesquisadores afirmaram que mais amostras são necessárias para que esta hipótese seja confirmada.