PUBLICIDADE
Topo

Aumento de CO2 na atmosfera reduzirá nutrientes de alimentos essenciais

27/08/2018 13h54

Paris, 27 Ago 2018 (AFP) - O aumento de CO2 na atmosfera reduzirá até 2050 as qualidades nutritivas de muitos cultivos, o que poderia gerar carências de zinco, ferro e proteínas em milhões de pessoas - aponta um estudo publicado nesta segunda-feira (27).

O aumento desta concentração, que pode atingir 550 partes por milhão (ppm) por volta de 2050, em comparação com 405 ppm em 2017, "reduzirá entre 3% e 17% a presença de ferro, proteínas e zinco em muitos cultivos de base", segundo pesquisadores da Universidade de Harvard, que analisaram 225 alimentos.

Esta diminuição da qualidade nutritiva de alguns alimentos poderia se traduzir em uma carência de zinco para 175 milhões de pessoas e de proteínas para 122 milhões, exacerbando também os déficits existentes em mais de um bilhão de pessoas, segundo o estudo publicado na revista Nature Climate Change.

Estas pessoas seriam somadas às 662 milhões que já sofrem carência de proteínas, 1,5 bilhão, de falta de zinco, e 2 bilhões, de ferro.

"A falta de zinco afeta o sistema imunológico. As crianças correm um maior risco de contrair doenças, como infecções respiratórias, malária, ou doenças diarreicas", explicou à AFP o pesquisador Matthew Smith.

"Um déficit de ferro pode causar anemia" e aumentar a mortalidade nos partos, assegurou. Além disso, a falta de proteínas pode provocar um atraso no crescimento infantil.

As regiões mais ameaçadas são Norte da África, Oriente Médio e Ásia, segundo o estudo.

Entre os cultivos-chave mais afetados estão o trigo, o arroz e o milho, que "contribuem em cerca de dois terços com a oferta de proteínas, zinco e ferro no mundo". Os dois primeiros são mais sensíveis ao aumento de CO2 na atmosfera do que o milho, segundo Smith.

As populações mais pobres são as mais expostas, dado que, diferentemente das mais ricas, não podem completar sua dieta com carne.

"As decisões que tomamos diariamente - como aquecemos nossa casa, como comemos, como nos movemos, o que compramos - fazem com que nossos alimentos sejam menos nutritivos, pondo em perigo a saúde de outras populações e das gerações futuras", segundo Samuel Myers, coautor do estudo.

mh-laf/app/eg/db/tt