Topo

Grandes felinos são 'assassinos por natureza', revela genoma

Em Paris

17/09/2013 15h17

O tigre e outros grandes felinos são predadores desde antes do nascimento, pois a força muscular desses animais e sua dieta carnívora estão literalmente inscritas em seus genes, indica um estudo divulgado nesta terça-feira (17), o primeiro a decodificar o genoma de um tigre.

O tigre (Panthera tigris) é o maior felino existente e, em todas as regiões, estima-se que existam apenas de 3.000 a 4.000 espécimes vivendo ainda em estado selvagem. Das nove subespécies identificadas, de três a quatro foram extintas durante o século 20, daí a necessidade urgente de se estudar melhor os poucos sobreviventes, todos ameaçados de extinção.

Uma equipe internacional, composta principalmente de pesquisadores asiáticos e liderada pelo geneticista sul-coreano Jong bhak, decifrou pela primeira vez o genoma de um tigre siberiano (Panthera tigris altaica), o maior de todos.

Seus genes foram, então, comparados ao do gato doméstico e com certas sequências genéticas de outros grandes felinos, como o tigre de Bengala (Panthera tigris tigris), o leopardo (Panthera uncia) e o leão (Panthera leo).

Sem surpresa, o tigre siberiano tem uma similaridade genética muito alta com o gato (95,6%), de quem diverge em 10,8 milhões de anos. Para efeito de comparação, os seres humanos e os gorilas divergem cerca de dois milhões de anos, e os seus genomas são idênticos em 94,8%.

O tigre compartilha com o gato e outros felinos um grande número de genes relacionados ao olfato e à percepção sensorial em geral. No entanto, os pesquisadores identificaram mais de 3.600 genes próprios aos grandes felinos, dos quais cerca de 1.400 associados com a assimilação de proteínas e de gorduras, típicos de dietas estritamente carnívoras.

Mais especificamente, o genoma do tigre siberiano é o retrato de uma fera temível: genes relacionados à força muscular, uso de energia e processamento sensorial (percepção, reflexos) estão todos "super-representados".

Publicado na revista Nature Communications, o estudo também identificou um gene que desempenha um papel crucial na adaptação do leopardo da neve para a vida em grandes altitudes e que permite que lide com um teor reduzido de oxigênio. Ele também destaca um gene mutante responsável pela cor branca de alguns leões africanos.

Estes dados sobre o tigre siberiano e outros felinos podem ser utilizados para fins de conservação e repovoamento de espécies.

"Eles permitem refletir melhor a base genética da adaptação a um determinado ambiente e melhorar possíveis cruzamentos entre espécimes selvagens e indivíduos mantidos em cativeiro", conclui o estudo.

Mais Tilt