Topo

Brasileiros foram afetados por mais de 4,8 milhões de notícias falsas

Política foi o principal assunto das notícias falsas que circularam - Getty Images/iStockphoto
Política foi o principal assunto das notícias falsas que circularam Imagem: Getty Images/iStockphoto

Bruna Souza Cruz

Do UOL, em São Paulo

16/11/2018 17h19

Mais de 4,8 milhões de notícias falsas circularam entre julho e setembro deste ano no Brasil e, desse total, os assuntos ligados a política foram os principais alvos (46,3%). Temas de saúde e mensagens que prometiam dinheiro fácil foram outras das estratégias mais usadas para enganar os brasileiros.

Os dados são do Relatório de Segurança Digital no Brasil do dfndr_lap, laboratório de cibersegurança da PSafe, especializada em soluções sobre o tema.

O levantamento levou em consideração detecções de links maliciosos enviados para smartphones (com o sistema operacional Android) de mais de 21 milhões de usuários que usam soluções de segurança desenvolvidas pelo laboratório. A tecnologia consegue diferenciar se a informação contida na mensagem envolve um golpe ou notícia falsa, explica a empresa. 

Veja também

De acordo com o estudo, mais de 2,2 milhões de notícias falsas envolvendo a política foram detectadas. Os dados indicam ainda que o WhatsApp foi o principal meio usado para a desinformação, seguido de navegadores na internet e do Facebook.

Uma outra pesquisa feita pela empresa entrevistou mais de 35 mil brasileiros e observou que 85% dos participantes receberam correntes pelo WhatsApp ou Facebook Messenger. Desse total, 64,6% foram impactadas por informações falsas nessas mesmas correntes.

Links maliciosos

O levantamento da Psafe também mostra que no mesmo período 43,8 milhões de crimes cibernéticos foram detectados.

Apesar de ter tido uma redução em comparação com o trimestre anterior -- quando 63,8 milhões de ameaças foram detectadas--, a situação ainda é preocupante.

Dentro desse grande volume de ameaças, a empresa identificou que: 

  • 38,2% foram phishing via app de mensagens, como o WhatsApp. É um golpe bem comum e por vezes se esconde atrás de promoções falsas, vagas de trabalho ou ofertas de coisas gratuitas. O phishing envolve programas criados para enganar e induzir o usuário a fornecer dados pessoais, como senhas, email. Ou ainda convencê-los a instalar aplicativos maliciosos que podem conter vírus.
  • 29,5% foram publicidade suspeita. São perfis, páginas, sites ou notificações que aparecem para o usuário e o induz a instalar um programa malicioso em seu dispositivo.
  • 11% foram notícias falsas.

Links maliciosos por gênero

O Relatório de Segurança Digital também destacou os tipos de links maliciosos que mais afetam homens e mulheres.

Notícias falsas (84,8%) e tentativas de golpes com perfis falsos (82,9%) chegam mais aos homens.

Já links maliciosos mais genéricos com assuntos variados (34,3%) e envolvendo serviços falsos (32,6%) costumam ser mais recebidos mais por mulheres. 

No balanço geral, os homens acabaram recebendo mais links maliciosos do que as mulheres.

Como identificar fake news e se proteger de golpes:

Algumas estratégias podem ser usadas para evitar o problema. A primeira dica é não compartilhar nada do que você recebe de imediato. 

Por mais verdadeiro que pareça a informação, evite compartilhar sem antes refletir sobre os itens abaixo.

  • Leia a notícia toda
  • Desconfie de coisas chamativas, "notícias emocionais" que causem sentimentos fortes como repulsa, raiva, surpresa, alegria.
  • Desconfie de URL. Alguns boatos tentam "copiar" os endereços de sites de notícias que existem de verdade para parecerem verdadeiros. Na dúvida, não clique. 
  • Desconfie de erros de português.
  • Desconfie de fotos e vídeos. Hoje em dia é muito fácil editar uma foto e manipular um vídeo. Vários programas gratuitos já fazem isso. Por isso, pesquise as informações do texto/vídeo em algum buscador de internet. Pode ajudar.
  • Questione quem encaminhou a mensagem.
  • Busque outras reportagens que falem sobre a informação que você recebeu. Quando um assunto tem grande repercussão, ele aparece em publicações de vários veículos na imprensa. 

Mais Tilt