PUBLICIDADE
Topo

Waze do pedestre, Moovit mostra chegadas e partidas de ônibus em tempo real

Aplicativo Moovit mostra programação de linhas de ônibus na parada que estiver mais próxima do usuário - Reprodução
Aplicativo Moovit mostra programação de linhas de ônibus na parada que estiver mais próxima do usuário Imagem: Reprodução

Guilherme Tagiaroli

Do UOL, em São Paulo

21/04/2015 06h01

Os motoristas conseguem se virar bem com o aplicativo Waze, mas e os usuários de transporte público, que são maioria, como ficam?

Com a proposta de ser uma espécie de versão do Waze para os que andam de ônibus, o Moovit passa a ser uma boa opção, sobretudo após a última atualização para Android, que melhorou consideravelmente a busca e o sistema que mostra chegadas e partidas de ônibus. As outras plataformas (iOS e Windows Phone) devem receber as novidades em breve.

O funcionamento não é 100% por uma série de fatores e o Moovit ainda não mostra informações em tempo real de trem e de metrô (no caso da cidade de São Paulo), mas é bem útil para quem depende de transporte coletivo.

Apesar do teste ter sido feito em São Paulo, o Moovit disponibiliza esse serviço em 28 cidades do Brasil. Ao todo, a companhia atua em 60 países.

Como funciona?

Ao instalar o aplicativo, o usuário terá acesso a um mapa da região onde está. Automaticamente, ele já disponibilizará informações de linhas de ônibus dos pontos na redondeza. 

As informações que aparecem em verde são de linhas com monitoramento em tempo real. Já as que estão em preto são de estimativas baseadas na programação cedida pelo órgão local de transporte.

No Moovit, só é possível ver uma programação genérica das linhas de trem de São Paulo - Reprodução
No Moovit, só é possível ver uma programação genérica das linhas de trem de São Paulo
Imagem: Reprodução

O Moovit conta também com um campo de busca no qual e possível procurar por uma linha e consultar o intervalo de tempo em que o ônibus passa por aquele local ou um endereço. Nesse último caso, ele retornará o passo a passo para chegar até o local.

Há ainda um componente social no aplicativo. Os usuários podem reportar as condições da linha, como “atraso”, “incidente”, “lotação”, “limpeza”, etc. O problema é que apesar de os itens serem bem completos, a reportagem não achou nenhum tipo de incidente registrado por usuários -- se tivesse, o app seria o “Waze” que falta para o pedestre.

Com a nova atualização, o aplicativo funciona também sem conexão à internet. Segundo a empresa, o Moovit guarda informações e permite que o usuário siga um itinerário previamente buscado.

Por que é legal?

Para quem utiliza transporte público, dá uma baita sensação de alívio quando o aplicativo mostra o tempo exato em que o ônibus de determinada linha deve chegar. Durante a semana de testes -- a reportagem teve acesso antecipado à última atualização --, o Moovit acertou o tempo de espera na maioria das vezes.

Em alguma ocasiões, ele informava que o ônibus estava há dois minutos do local, mas chegava antes. Como já estava no ponto de ônibus, não houve problema. Agora, se é o caso de alguém que está atrasado, vai deixar a pessoa irritada.

Ao consultar dados de metrô e trem, o aplicativo, simplesmente, mostra informações estimadas, baseadas em informações disponibilizadas pelo Governo do Estado. Se houver algum problema (alguém segurando a porta, por exemplo), já “desanda” toda a programação.

Segundo o Moovit, as informações online de trem e metrô não disponíveis, pois o governo não disponibiliza esses dados.

Conclusão

Com a atualização, o Moovit é bem útil para o usuário de transporte público, pois mostra linhas e também permite procurar itinerários -- nas lojas de aplicativos, há apps que só fazem uma função ou outra.

Um recurso que faz falta no aplicativo é um serviço de notificação -- como faz o Google Now. O Moovit seria mais útil se, por exemplo, avisasse aos usuários em determinados horários que seu ônibus (linha marcada como favorita) está prestes a passar. Como está, ele só exibe essas informações ao abrir o aplicativo.

Além disso, os desenvolvedores poderiam integrar informações de trânsito. Dessa forma, quem utiliza transporte público já consegue ter uma noção de como estão as vias pelos trechos que são cobertos por aquele ônibus.

Tilt