Topo

Congressistas dos EUA questionam privacidade no uso do Google Glass

Cofundador do Google, Sergey Brin é o principal garoto-propaganda do Google Glass - Jeff Chiu/AP
Cofundador do Google, Sergey Brin é o principal garoto-propaganda do Google Glass Imagem: Jeff Chiu/AP

Do UOL, em São Paulo

20/05/2013 09h56

Oito representantes do Congresso dos Estados Unidos enviaram uma carta a Larry Page, cofundador e diretor-executivo do Google, expondo preocupações com a privacidade em relação aos óculos Google Glass. No texto há oito perguntas sobre o uso do acessório, que já foi distribuído para desenvolvedores. A novidade deve ser lançada oficialmente em 2014 por US$ 1.500 (cerca de R$ 3.000).

O conteúdo foi elaborado pelo republicano Joe Barton e outros sete integrantes de uma comissão bipartidária do Congresso para assuntos envolvendo a privacidade. Eles pedem que as perguntas sejam respondidas até dia 14 de junho.

“Estamos curiosos para saber se essa nova tecnologia infringirá a privacidade do cidadão americano. Como o Google Glass ainda não foi lançado e não temos certeza se o Google vai incorporar mecanismos de privacidade no acessório, há um número de perguntas ainda sem respostas que compartilhamos”, afirma a carta.

Os congressistas querem saber, por exemplo, se há algum mecanismo que previna os óculos de coletar involuntariamente dados do usuário ou não usuário sem sua autorização, como o Google já fez com informações que trafegam em redes Wi-Fi.

Eles também questionam quais os mecanismos para proteger a privacidade dos não usuários (que podem ser filmados e fotografados), que tipo de informação o acessório coletará de quem o usa, se a privacidade será considerada na aprovação de aplicativos compatíveis e se os dados ficarão armazenados nos próprios óculos.

Mais Tilt