PUBLICIDADE
Topo

Nexus S: um smartphone Android realmente do Google

O celular Nexus S é intrigante, segundo Pogue: foi o próprio Google que projetou o aparelho - Divulgação
O celular Nexus S é intrigante, segundo Pogue: foi o próprio Google que projetou o aparelho Imagem: Divulgação

DAVID POGUE || Do New York Times

17/12/2010 11h11

Ao fim de mais um ano, problema é o que não falta. Recessão. Guerras. Desemprego.

Mas veja o lado positivo: nunca houve uma variedade tão grande de celulares realmente excelentes. De fato, no mundo do sistema operacional para telefone Android do Google, novos telefones parecem descer toda a semana pela chaminé, cada um superando o anterior em qualidade.

O aparelho lançado nesta semana é particularmente intrigante, porque foi o Google que o projetou. Desta vez não apenas o software, mas o próprio telefone. Sim, “Google” está gravado na traseira, juntamente com “Samsung”, que o fabricou. Este telefone, o Nexus S, lembra muito pouco o primeiro esforço do Google em um telefone, há um ano, o fracassado Nexus One. (O S tem mais em comum com os modelos Galaxy S da Samsung.)

O fato de o Google estar tentando de novo é importante por vários motivos. Primeiro, representa um jogar de toalha oficial para o modelo de vendas radical do Google. Ele pretendia criar uma loja online onde você compraria o telefone e o serviço de modo independente. Chega de “Você quer um iPhone? Então fique com a AT&T”.

Isso nunca pegou. Desta vez, você comprará o Nexus S da Best Buy (US$ 529 sem contrato, ou US$ 200 com um contrato de dois anos com a T-Mobile).

Como é o smartphone

Em geral, o novo Nexus é basicamente o mesmo que seus rivais: é um retângulo preto (maior do que o iPhone em todas as dimensões) com tela multitoque, um teclado na tela e um chip super-rápido, que faz tudo responder prontamente.

A câmera no painel traseiro tem um flash LED, mas a qualidade é apenas mediana e não grava vídeos em alta definição. A câmera frontal de baixa resolução é para videochamadas ou para verificar se ficou espinafre nos seus dentes. (O software para videochamadas não vem com o telefone, apesar de você poder baixar alguns aplicativos para isso na loja online de aplicativos para o Android.)

A tela de 4 polegadas é brilhante, nítida e vívida. O corpo é todo de plástico, o que o torna mais propenso a riscos e impressões digitais do que o corpo de metal e vidro do iPhone. Ele é elegante, porém mais genérico; a única excentricidade de design é uma saliência na parte inferior que, é possível argumentar, ajuda você a orientar o telefone quando o retira do seu bolso.

A Samsung também diz que a tela é ligeiramente curvada para dentro para que se encaixe melhor no seu rosto. É mesmo? Seria preciso um microscópio para medi-la; a curva é virtualmente imperceptível. Se esse grau de curvatura diminuto se encaixar em sua cabeça, então você deve ter um crânio do tamanho de um balão de ar quente.

O S carece de algumas características do Nexus original, como os microfones duplos para cancelamento de som (não importa –o som do S é ótimo), a trackball que também servia como luz indicadora de mensagem e o slot para cartão de memória. Desta vez, sua capacidade de armazenamento chega a 16 gigabytes –apenas 1 giga disponível para armazenamento de aplicativos baixados.

Tecnicamente, o telefone é vendido “desbloqueado”, o que significa que você não precisa usar a T-Mobile; se quiser, você pode inserir o chip de um telefone AT&T ou, quando estiver viajando, o de uma operadora estrangeira. Mesmo assim, limitações técnicas impedem que você acesse a rede de Internet 3G da AT&T, ou mesmo a rede 4G (mais rápida) da T-Mobile.

A notícia de hardware mais empolgante é que o Nexus S pode ler etiquetas NFC. Caso você não seja um engenheiro, isso significa comunicações em campo próximo. Supostamente algum dia, em breve, você poderá passar seu telefone sobre uma etiqueta inteligente especial para pagar por algo. Você poderá acenar seu telefone para o de outra pessoa para trocar cartões de visita. Você poderá obter informações, links de Internet ou vídeos de etiquetas especiais em outdoors e pontos de ônibus, apenas passando seu telefone.

Certo. E então você poderá embarcar em seu hovercraft e voar para casa.

Infelizmente, não existem muitas etiquetas NFC nos Estados Unidos (exceto em um programa de teste do Google em Portland), então, por ora, essa função é inútil. Sim, é possível argumentar que se o NFC chegar algum dia, o Nexus S estará pronto. Infelizmente, àquela altura, ele mais parecerá uma bomba a querosene.

  • Divulgação

    O novo Nexus é basicamente o mesmo que seus rivais: é um retângulo preto (maior do que o iPhone em todas as dimensões) com tela multitoque, um teclado na tela e um chip super-rápido

Android 2.3: a grande atração

O aspecto mais atraente do Nexus S pode nem ser o hardware – mas sim o software. Aqui está o puro Android, da forma como o Google pretendia. Nenhum fabricante de celular o modificou, diluiu ou complicou com seus próprios ajustes. Ele não vem com aplicativos junk pré-instalados da Verizon ou de qualquer outro. Ele é o primeiro telefone com o Android 2.3.

Isso é importante. O Google atualiza seu software frequentemente. Mas se você comprar seu telefone Android de uma operadora, você pode ficar sem atualização por meses, porque a operadora é a porteira. O Android 2.2, por exemplo, introduziu a capacidade de assistir vídeos Flash na Internet –mas até hoje, muitos telefones Android não podem explorar essa função porque suas operadoras não ofereceram a atualização 2.2. Você não terá esse problema se comprar seu telefone do Google.

Neste caso, as mudanças são pequenas. A atualização 2.3 oferece várias melhorias: um esquema de cor escura adorável, registros de ligações encadeados (a ligações e retornos de cada pessoa são listadas juntas), uma nova página que lista todos seus downloads, um relatório do que está usando sua bateria e memória. (A duração da bateria é muito maior. Ela facilmente dura um dia inteiro, talvez até dois, entre recargas.)

Alguns floreios visuais bacanas animam os procedimentos; quando você rola a lista de programas, os ícones parecem rolar para além das bordas, como se gravados em uma toalha de mesa. E quando você desliga o telefone, a tela pisca para um ponto no centro, como uma TV de tubo antiga.

Quando você deseja um símbolo ou um número, o teclado na tela agora funciona como o do iPhone: você pode manter uma tecla pressionada para um menu pop-up de variações com acento, e pode usar dois dedos ao mesmo tempo (pressionando a tecla Shift enquanto você digita uma letra, por exemplo).

Ao mesmo tempo, você ainda conta com todas as funções centrais espetaculares do Android: um aplicativo GPS completo com direções narradas, um botão microfone no teclado que permite a você ditar um texto quando precisar digitar, e uma excelente integração com os próprios produtos do Google, como o Picasa, Gmail e Google Voice.

Dose de caos

É claro, você também tem todos os problemas do Android, ou seja, uma certa dose de caos. Isso, é claro, é a bênção e maldição da abertura do Android.

Esse é o motivo, por exemplo, para você ter um programa para as contas do Gmail e outro para e-mail comum.

Também é o motivo para as melhorias do Android 2.3 em Copiar e Colar terem valor dúbio. Na teoria, você seleciona o texto mantendo uma palavra pressionada, então arrastando as alças que aparecem. Nesse ponto, você pode apertar a área acentuada para copiá-la.

Ou pelo menos é como supostamente funcionaria no browser de Internet. Infelizmente, o mecanismo Copiar e Colar é diferente em cada programa, mesmo em cada página de Internet. Em alguns aplicativos, manter o dedo pressionando não faz nada; é preciso apertar o botão Menu, depois Mais, depois Selecionar Texto para que as alças apareçam. Em outros, como o aplicativo de mensagem de texto, você não tem as alças de seleção; você só pode copiar a mensagem inteira. E assim por diante.

Se você escolher um iPhone, você tem uma filosofia totalmente diferente: ele é um comunidade fechada, controlada, mas 100% limpa e consistente.

O mundo do Android é mais caótico, menos controlado. As companhias telefônicas podem alterar a aparência, sensação e funções do Android como quiserem. Os programadores podem criar os aplicativos que quiserem, mesmo aqueles que a Apple rejeitaria por serem pornográficos ou anárquicos.

Se você prefere a abordagem do Android, então seu dia acaba de ficar melhor. Não, o Nexus S não é perfeito. Mas está entre os melhores telefones Android –e permanecerá assim pelo menos pelas próximas duas semanas.