PUBLICIDADE
Topo

Companhias aéreas do EUA preveem caos se 5G não for limitado em aeroportos

Ashim D?Silva/Unsplash
Imagem: Ashim D?Silva/Unsplash

Em Washington

18/01/2022 11h33

Os presidentes de dez companhias aéreas americanas emitiram um alerta nesta segunda-feira (17) às autoridades para advertir sobre o potencial "caos" que representaria a ativação da tecnologia de redes ultrarrápidas 5G nas proximidades de aeroportos, em uma carta obtida pela AFP.

"Escrevemos para pedir urgentemente que a 5G seja implementada a partir de 19 de janeiro em qualquer local, exceto a 2 milhas (cerca de 3,2 km) das pistas de aeroportos, como foi definido pela FAA", autoridade de aviação federal, destaca a carta, também assinada pelas gigantes de carga FedEx e UPS.

"É necessária uma intervenção imediata para evitar uma grande interrupção operacional para passageiros, transportadoras, cadeias de suprimentos e entrega de suprimentos médicos essenciais", disseram as companhias aéreas dois dias antes da rede 5G entrar em operação.

As companhias aéreas e de carga dos Estados Unidos estão preocupadas com as consequências da nova rede nos aviões devido a possíveis conflitos nos instrumentos de controle.

"Em um dia como ontem (domingo), mais de 1.100 voos e 100.000 passageiros estariam sujeitos a cancelamentos, desvios e atrasos", temem os presidentes dessas empresas, incluindo American Airlines, Delta ou Southwest.

"Considerando o pouco tempo restante e a importância dessa calamidade econômica completamente evitável, pedimos respeitosamente que sejam tomadas todas as medidas necessárias para que o 5G seja implantado, exceto quando as torres estiverem muito próximas às pistas dos aeroportos", pedem ao governo dos Estados Unidos, à FAA e à agência de telecomunicações, a FCC.

As companhias aéreas defendem uma pausa "até que a FAA possa determinar como essa implantação pode ser realizada com segurança e sem interrupções catastróficas".

No início de janeiro, as companhias aéreas obtiveram um novo prazo, até esta quarta-feira, para a ativação dessas novas frequências de banda.

Preocupada com possíveis problemas de interferência com dispositivos de medição de altitude de aeronaves, a FAA emitiu novas diretrizes que limitam o uso desses mecanismos de voo em algumas situações.

As companhias aéreas americanas protestaram contra os custos potenciais de tal decisão, pedindo às autoridades que encontrem rapidamente uma solução.

Em dezembro, as fabricantes Airbus e Boeing também manifestaram "preocupação" com possíveis conflitos na instrumentação de seus aparelhos pelo 5G, em carta ao Departamento de Transportes dos Estados Unidos.