PUBLICIDADE
Topo

A Índia na linha de frente da mudança climática

25/07/2021 10h40

Nova Délhi, 25 Jul 2021 (AFP) - Grande parte da Índia enfrenta atualmente inundações e deslizamentos de terra causados por fortes chuvas de monção, em um novo sinal de como o país asiático está na linha de frente da mudança climática.

Só nos primeiros sete meses deste ano, o país de 1,3 bilhão de habitantes sofreu dois ciclones, um colapso mortal de uma geleira no Himalaia, uma onda de calor paralisante e inundações.

- Geleiras derretidas -Em fevereiro, uma inundação repentina arrasou um vale remoto no Himalaia indiano, arrastando casas, uma usina hidrelétrica e cerca de 200 pessoas, das quais apenas 60 corpos foram recuperados.

Os especialistas acreditam que foi causada por um grande pedaço de geleira que se desprendeu do topo das montanhas.

Um especialista em geleiras que investigou o local disse à AFP que a catástrofe "foi claramente o resultado da mudança climática e um alerta sobre o nosso futuro".

No Himalaia indiano, cerca de 10.000 geleiras perdem de 30 a 60 metros por década devido ao aumento da temperatura.

Uma inundação na mesma área matou 6.000 pessoas em 2013.

- Mais ciclones -Os ciclones não são raros no norte do Oceano Índico, mas os cientistas acreditam que eles se tornaram mais frequentes e graves com o aumento da temperatura do mar.

Em maio, o ciclone Tauktae matou 155 pessoas no oeste da Índia, incluindo dezenas de trabalhadores de plataformas de petróleo perto de Mumbai. Foi a pior tempestade que atingiu a área em décadas.

Uma semana depois, o ciclone Yaas, com ventos equivalentes a um furacão de categoria 2, matou pelo menos nove pessoas e forçou a evacuação de mais de 1,5 milhão de pessoas no leste da Índia.

As grandes ondas provocadas pelo ciclone derrubaram as casas de centenas de milhares de pessoas.

- Mais e mais calor - A temperatura média da Índia aumentou cerca de 0,7 ºC entre o início do século XX e 2018, e aumentará mais 4,4ºC até o ano 2100, de acordo com um relatório recente do governo.

No início de julho, dezenas de milhões de pessoas sofreram com a última onda de calor no norte da Índia.

O departamento climático da Índia declarou uma onda de calor quase todos os anos na última década, com temperaturas às vezes chegando perto de 50 ºC.

O jornal Hindustan Times informou que ondas de calor mataram mais de 17.000 pessoas na Índia desde 1971.

Atualmente, apenas 5% dos lares indianos têm ar condicionado, em comparação com 90% nos Estados Unidos e 60% na China.

Mas o mercado para esses aparelhos deve crescer nos próximos anos, aumentando o consumo de energia elétrica no país, terceiro maior emissor de carbono do mundo.

- Inundações -Chuvas torrenciais atingiram a costa oeste da Índia nos últimos dias e provocaram deslizamentos de terra que deixaram mais de 100 mortos e dezenas de desaparecidos.

A cidade montanhosa de Mahabaleshwar registrou 60 centímetros de chuva em 24 horas, um recorde.

O estado turístico de Goa sofre com as piores enchentes em décadas, de acordo com o chefe do governo local.

Inundações e deslizamentos de terra são comuns durante a temporada de monções na Índia, quando edifícios mal construídos muitas vezes desabam devido às fortes chuvas.

Mas a mudança climática torna a monção mais forte, de acordo com um relatório de abril do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático.

O instituto alertou sobre consequências potencialmente graves para alimentos, agricultura e economia, depois de afetar cerca de um quinto da população mundial.

- Raios -A temporada de monção de junho a setembro também provoca mais raios. Em 2019, quase 3.000 pessoas foram atingidas por raios.

Há algumas semanas, 76 pessoas morreram por raios em Rajastão, incluindo 10 que assistiam à tempestade e tiravam fotos.

Os cientistas afirmam que a mudança climática pode tornar as tempestades de raios mais frequentes. Um estudo recente indicou que seu número aumentou 34% no último ano.

O perigo não é apenas para os humanos: em maio, um raio matou pelo menos 18 elefantes em Assam.

ash-stu/jfx/mtp/mas/zm/mr