PUBLICIDADE
Topo

A resposta econômica global às mudanças climáticas

23/04/2021 12h02

Washington, 23 Abr 2021 (AFP) - Os líderes mundiais que participaram da cúpula virtual convocada no Dia da Terra têm uma posição unânime: o combate às mudanças climáticas será benéfico para o crescimento econômico de todo o planeta.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, o presidente chinês Xi Jinping e a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, estavam entre os executivos que apoiaram os apelos por impostos mais altos sobre carbono e investimentos maciços.

Segue um resumo dos mais recentes esforços globais para combater a mudança climática:

- O que está em jogo? -A mudança climática representa uma grande ameaça ao crescimento global, com perigos que vão desde o declínio da produção agrícola, climas extremos que devastam as economias baseadas no turismo, desenvolvimento de doenças e outras catástrofes que podem minar a produtividade.

Seus efeitos podem reduzir o PIB global em até 18% em 2050 em comparação com as estimativas sem mudança climática, de acordo com um relatório publicado na quinta-feira pela Swiss Re, uma das maiores resseguradoras do mundo.

A China pode perder até 24% do PIB no pior cenário, aquele de maior impacto, enquanto a Europa pode perder 11% e os Estados Unidos, cerca de 10%, segundo o estudo.

O Banco Mundial estima que entre 32 e 132 milhões a mais de pessoas podem cair na pobreza extrema até 2030 devido aos efeitos das mudanças climáticas.

- Onde é preciso investir? - O Banco Mundial identificou cinco áreas prioritárias para investimento: sistemas de alerta precoce, infraestrutura resistente ao clima, agricultura de sequeiro, proteção de manguezais e resiliência hídrica.

A instituição com sede em Washington estimou que investir globalmente 1,8 trilhão nessas áreas nos próximos nove anos pode gerar 7,1 trilhões de retorno.

A Agência Internacional de Energia pediu em janeiro "uma ação decisiva" até 2030.

O órgão também pediu o aumento da proporção crescente de carros elétricos para mais de 50% dos atuais 3%, aumentando a produção de hidrogênio de baixo carbono para 40 milhões de toneladas métricas dos atuais 450.000, e aumentando o investimento em eletricidade limpa de 380 bilhões para 1,6 trilhões.

Líderes mundiais e instituições multilaterais dizem que esses investimentos criarão milhões de empregos, sem fornecer números precisos.

- Por que um imposto de carbono? -Um imposto sobre o carbono voltado para as maiores fontes de emissões teria como objetivo mudar o comportamento do consumidor, encorajando-o a usar menos energia, comprar veículos elétricos e produtos domésticos mais eficientes.

O FMI afirma que esse imposto é a única maneira de manter o aumento da temperatura do planeta em 1,5 graus Celsius (2,7 Fahrenheit) acima dos tempos pré-industriais.

"Mais de 60 esquemas de preços foram implementados, mas o preço médio global agora é de US $ 2 por tonelada e precisamos aumentar para US $ 75 por tonelada em 2030 para reduzir as emissões em linha com as metas do Acordo de Paris", disse o diretor do FMI na cúpula virtual na quinta-feira.

Kristalina Georgieva propôs um preço mínimo de carbono para os maiores emissores que cobrirá até 80% das emissões globais, mas "com preços diferenciados para países com diferentes níveis de desenvolvimento econômico".

Uma taxa de carbono combinada com um investimento crescente em infraestrutura ambientalmente correta pode elevar o PIB para mais de 0,7% ao ano nos próximos 15 anos, disse Georgieva.

- Qual será o impacto? -O FMI estima que um imposto sobre o carbono de pelo menos US $ 50 por tonelada em 2030 para os países do G20 e US $ 25 por tonelada para os países emergentes dobrará as reduções de emissões em comparação com os compromissos atuais.

As receitas fiscais arrecadadas serão substanciais, variando entre 0,5% e 4,5% da riqueza nacional, dependendo do país. Esses fundos podem ser usados para reduzir o imposto de renda ou redistribuí-los às famílias mais pobres.

- E quanto aos países pobres? -O FMI e o Banco Mundial estão considerando reduzir a dívida dos países pobres em troca de investimentos verdes. O objetivo é fazer propostas concretas para a cúpula do clima COP26 que será realizada no final do ano.

- Como funciona o Fundo Verde? -Apoiado pelas Nações Unidas, o Fundo Verde para o Clima tem como objetivo transferir fundos de países ricos para nações mais pobres sob risco de mudanças climáticas para financiar projetos que combatam os efeitos do aumento das temperaturas.

Os Estados Unidos pretendem adicionar mais US $ 1,2 bilhão ao fundo no próximo ano.

Dt/cs/hs/acb/rs/mls/jc