PUBLICIDADE
Topo

Buenos Aires volta a realizar Mundial de Tango e tem inédita direção feminina

16/09/2021 19h54

Buenos Aires, 16 set (EFE).- Pela primeira vez em mais de uma década, uma mulher está à frente do Tango BA Festival e Mundial de Buenos Aires. Natacha Poberaj, campeã mundial em 2006, estreia como diretora de um evento que começa nesta quinta-feira e que, após a edição virtual de 2020, promoverá na capital argentina competições internacionais, exposições e homenagens a personalidades como Diego Maradona.

"O abraço salva e cura, e o tango nos dá essa possibilidade. A possibilidade de nos abraçarmos novamente e estarmos cada vez mais próximos é o que aplaudo neste festival", disse Poberaj à Agência Efe, além de ressaltar a "imensa responsabilidade" de tomar as rédeas do evento e o "desafio" de realizá-lo durante a pandemia de covid-19.

Com sua chegada como diretora artística, o evento de tango mais importante do mundo tem, mais uma vez, um olhar feminino.

"O tango é um reflexo do que está acontecendo em nossas vidas, há muitas questões que vêm mudando socialmente, e o tango é uma dança, um gênero absolutamente popular, e daí tudo que está mudando socialmente tem um impacto no tango", disse a dançarina profissional, que conhece o festival por dentro há anos.

EVENTO VOLTA A TER APRESENTAÇÕES PRESENCIAIS.

Após uma edição virtual em 2020 devido à pandemia, os espetáculos voltam às ruas e aos palcos combinando presencialidade e virtualidade e espremendo o melhor de ambas as modalidades. Sempre procurando impulsionar o setor, mantendo os protocolos de saúde e espaços com capacidade de público reduzida para cuidar das pessoas.

Organizado pelo Ministério da Cultura da Cidade de Buenos Aires, o festival contará, até 26 de setembro, com mais de 100 atividades - entre elas algumas dedicadas ao tango 'queer', apresentações de grandes companhias, aulas de dança e exposições, palestras e oficinas - e também propostas virtuais.

No que diz respeito ao campeonato mundial, mais de 400 duplas de 25 países participarão das categorias Tango de Pista e Tango Cenário, sob o olhar atento de um júri com experiência internacional.

A Usina del Arte, no emblemático bairro de La Boca, será sede das eliminatórias e semifinais, com capacidade reduzida de público, e as finais serão realizadas no dia 25 de setembro ao ar livre, ao lado do obelisco de Buenos Aires, um dos cartões postais mais famosos da capital argentina: além do show dos finalistas, o evento, que também será transmitido no site Vivamos Cultura, contará com shows de orquestras e vozes de tango prestigiadas.

Neste Mundial, os dançarinos poderão participar presencial ou virtualmente, principalmente os estrangeiros, que não podem viajar para a Argentina porque as fronteiras estão fechadas.

"Descobrimos que pessoas que em anos anteriores nunca puderam participar porque talvez não tivessem como pagar uma passagem para vir a Buenos Aires, tanto no ano passado como neste ano puderam se registrar, e isso é uma grande conquista, e de alguma forma devemos isso a esta pandemia, que é como um grande desafio. Temos a chance de aprender de tudo, de nos reinventar", disse Poberaj, vencedora da edição de 2006 na categoria Tango Salão.

HOMENAGEM A MARADONA.

Como parte das homenagens do festival, em 21 de setembro, no Parque Centenário, mais de 20 artistas homenagearão o eterno craque Diego Maradona, que amava tango e chegou a cantar clássicos como "El sueño del pibe".

A apresentação incluirá tangos e músicas escritas para o astro do futebol - que morreu em 25 de novembro do ano passado - e uma canção inédita do poeta Horacio Ferrer.

Além disso, o tema instrumental "El gol del siglo en tiempo de tango", composto para a ocasião pelo bandoneonista Gabriel Merlino, será apresentado pela primeira vez.