PUBLICIDADE
Topo

Editor-chefe do 'Bild' é demitido por 'conduta incorreta' com jornalista

18/10/2021 21h11

Berlim, 19 Out 2021 (AFP) - O grupo de imprensa Axel Springer anunciou nesta segunda-feira a demissão do editor-chefe do tabloide "Bild", Julian Reichelt, acusado de "comportamento incorreto" durante um relacionamento amoroso com outra jornalista do veículo mais lido da Alemanha.

"Em recentes investigações jornalísticas, novas evidências de má conduta de Julian Reichelt foram trazidas à empresa", informou o grupo em um comunicado.

Em março, responsáveis do tabloide já haviam aberto uma investigação sobre o jornalista, 41, suspeito de ter promovido mulheres com quem mantinha relações sexuais e, posteriormente, afastá-las. Na ocasião, ele "admitiu misturar relações profissionais e privadas, mas negou" qualquer assédio, afirmou o grupo que o manteve no cargo.

A direção do Axel Springer informou hoje que "ficou claro que Julian Reichelt ainda não separa claramente os assuntos privados dos profissionais e que ele mentiu sobre o assunto perante o conselho de administração".

O jornal mais lido da Alemanha não especificou os fatos "incorretos" atribuídos a seu editor-chefe, figura polêmica no mundo jornalístico. Uma investigação do "New York Times" publicada neste domingo pode ter influenciado em sua demissão.

De acordo com o jornal americano, Reichelt promoveu uma jovem jornalista com quem teve um relacionamento amoroso a um cargo importante. "Se descobrirem que tenho um caso com uma estagiária, perderei meu emprego", disse Julian Reichelt a ela em novembro de 2016, de acordo com comentários que ela relatou à comissão interna de inquérito citada pelo New York Times.

Em outra investigação, publicada na noite desta segunda-feira, a revista "Spiegel" lembrou as denúncias de abuso de poder contra o jornalista feitas anos atrás. Com base em entrevistas com "meia dúzia de mulheres" e seu entorno, além de centenas de mensagens consultadas, a revista revelou a forma de atuação do editor do tabloide.

"Ele abordava frequentemente as jovens de sua equipe da mesma forma: cumprimentava as mesmas pelo novo trabalho, confiava a elas tarefas de grande responsabilidade ou as colocava em cargos para os quais não eram qualificadas", detalhou.

Parte da investigação revelada pela Spiegel seria publicada por um coletivo de jornalistas investigativos, mas o editor Dirk Ippen, magnata da imprensa alemão, desistiu da publicação, o que deixou os autores do artigo indignados.

Julian Reichelt será substituído por Johannes Boie, que ocupava o mesmo cargo no semanário conservador "Welt am Sonntag", também do grupo Springer.

dac/smk/mr/eb/erl/mr/lb