PUBLICIDADE
Topo

Irmã de Deolane é acusada de cobrar cachê para distribuir marmita; ela nega

Dayanne Bezerra, irmã de Deolane, é acusada de cobrar "presença VIP" para distribuir marmitas - Reprodução: Instagram
Dayanne Bezerra, irmã de Deolane, é acusada de cobrar 'presença VIP' para distribuir marmitas Imagem: Reprodução: Instagram

Colaboração para Splash, no Rio de Janeiro

27/05/2022 08h58Atualizada em 27/05/2022 15h11

O cantor e apresentador Douglas Nobre acusou a advogada Dayanne Bezerra, irmã de Deolane, de cobrar cachê para fazer uma ação social. Ele postou o print de uma suposta conversa com o assessor da influenciadora digital, que pediu "presença VIP" para entregar alimentos a pessoas em situação de rua.

"Quero crer que seu assessor super despreparado respondeu isso sem seu aval, porque se, de fato, você cobra para participar de uma ação social, se você enxerga uma causa social como 'presença VIP', eu não sei quem é mais sem noção nessa história aí", escreveu Douglas em um vídeo publicado em seu Instagram.

No print, Maykon, assessor pessoal de Dayanne, respondeu: "Presença VIP, só pagas". Douglas demonstrou sua indignação pela cobrança, tanto em resposta à mensagem, quando em seus Stories no Instagram. "A embaixadora do projeto é a cantora Luiza Possi e ela nunca cobrou nem a gasolina", diz ele no vídeo de seus Stories.

Print Douglas Nobre contra Dayanne Bezerra - Reprodução: Instagram - Reprodução: Instagram
Imagem: Reprodução: Instagram

A ação citada seria uma entrega de marmitas a pessoas em situação de rua, como parte do projeto Food & Refugee Woman, desenvolvida pelo Experimente Nascer de Novo e pela associação Juventude Armênia, que aconteceu na última quarta. Eles ajudam mais de 200 famílias refugiadas da guerra da Síria em São Paulo e distribuíram 250 marmitas e chocolates a moradores em situação de rua.

Dayanne se manifestou e negou cobrar para participar de ações sociais. "Eu faço ação social desde que eu tava grávida da Kethlyn, com a minha irmã Daniele, há 14 anos. Tenho fotos aqui. Entrego comida na região da [Rua] 25 de Março, no centro, e nunca postei isso porque não precisa ser postado", disse nos Stories do Instagram.

"Se tem pessoas que querem se aproveitar de situações e usam isso para difamar, criar história e ganhar engajamento... Eu vou tomar as medidas judiciais cabíveis. Meu assessor respondeu rápido, não viu, mas quando ele viu do que se tratava, respondeu que eu não tinha tempo", continuou.

"Eu tenho contratos, tenho coisas para apresentar. Se eu não for cumprir com as minhas obrigações de contratos fechados, eu vou ser multada", concluiu a advogada.